Usado da semana

Carro da semana, opinião de dono: Volkswagen Golf Highline 2013/2014

Carro da semana, opinião de dono: Volkswagen Golf Highline 2013/2014

Venho aqui relatar minha experiência como ex-proprietário de um Golf 1.4 TSI Highline 2013/2014, com câmbio DSG, pacote elegance e teto solar. Procurava com hatch em meados de 2013 e minhas escolhas, como não poderiam deixar de ser, eram entre o novo Golf e o novo Focus. Depois de lançados, acabei optando pelo alemão, pois prezo muito pela segurança e o VW havia sido muito bem avaliado em crash tests, além de ser mais equipado do que o Ford neste quesito.


No princípio queria um Golf 1.4 Highline manual com pacote executive, que incluiria faróis de xênon e banco em couro. No final das contas, tive que escolher o que estava disponível, e naquele tempo não eram muitas as opções. Acabei optando por um branco, com rodas Madrid, na configuração citada no parágrafo anterior. O preço de tabela era de R$84.990,00, acabei pagando, após negociação, R$82.000,00, em Porto Alegre.

Retirei ele da concessionária em 28/11/2013 e logo em janeiro de 2014 resolvi viajar até San Carlos de Bariloche para experimentar o carro, viagem que rendeu algumas das fotos que ilustram este relato. O carro era sensacional: silencioso, econômico, estável, espaçoso (com exceção do porta-malas) e muito prazeroso de dirigir.

De pronto me espantei com as médias de consumo do já bem afamado motor. Ao sair do país, pelo Uruguai, em Barra do Quaraí/Bella Unión com destino a Frey Bentos onde atravessaria para a Argentina, um trecho de aproximadamente 200 quilômetros, com estrada toda boa e limite de velocidade de 90km/h, estava fazendo 17,5 km/l! Claro que estava seguindo à risca o limite de velocidade, pois a polícia rodoviária uruguaia estava sempre presente. Além disso, abasteci lá, então o combustível era de melhor qualidade.


Durante a viagem toda a média de consumo resultou em admiráveis 15 km/l, com gasolina “Super” argentina. No Brasil, em uso cotidiano, no entanto, a média rodoviária era de 13,5 km/l a 14,5 km/l, mantendo velocidades entre 110 km/h e 120 km/h. Relato apenas o consumo em estrada, pois resido no interior, a 500 km de Porto Alegre, a cidade é pequena, e o anda e para com motor frio não reflete o consumo real do carro em ciclo urbano. Ainda assim, posso dizer que a minha média era em torno de 8 km/l. Sempre com gasolina aditivada (na minha cidade não vendem gasolina Podium).

Carro da semana, opinião de dono: Volkswagen Golf Highline 2013/2014

Fiz apenas as três primeiras revisões antes de vendê-lo, que custaram, aproximadamente, R$ 250, R$ 300 e R$ 800, respectivamente. O atendimento na rede VW foi aceitável. As duas primeiras revisões fiz na modalidade expressa, que leva somente uma hora. O que me descontentou foi que, rasguei um dos pneus Dunlop, com os quais o Golf veio equipado de fábrica, episódio que relatarei adiante, e a concessionária não disponibilizava o mesmo modelo para troca. A autorizada da marca dos pneus possuía o mesmo Dunlop Sportmaxx, mas somente em desenho “para o mercado brasileiro”. O do carro, que era europeu, não.

Na concessionária indaguei o que poderia fazer: “trocar dois de um eixo, ou os quatro” – foi a resposta. Com 19.000 km? Não. Pesquisei, me informei com amigos de concessionárias e fui orientado a pedir em garantia a substituição. Assim, pedi que minha concessionária (mesma que me deu o conselho acima) o fizesse, e continuei a rodar com o estepe. Em uma semana recebi a resposta: a VW iria me conceder três pneus Firestone em troca de três dos meus Dunlop usados, e eu pagaria por um, o danificado. Ainda que justificável o ato pela inexistência do produto no mercado brasileiro, fiquei realmente satisfeito. Feita esta introdução, vamos ao prós e contras do veículo:

Carro da semana, opinião de dono: Volkswagen Golf Highline 2013/2014

Prós: o isolamento acústico, e o consequente silêncio a bordo faz o carro parecer estar desligado; o torque em arrancadas e ultrapassagens deixam o condutor em dúvida sobre a capacidade de 1400 cm³ do motor; o espaço no banco traseiro é de sedan médio; os bancos em camurça são mais confortáveis e bonitos que os de couro (minha opinião); o sistema multimídia é fácil de usar e muito completo; os comandos de voz funcionam, ao contrário do SYNC do New Fiesta Titanium que temos na família; os freios são precisos e eficientes; a direção sabe exatamente o nível de assistência para todas as situações; é fácil de encontrar a melhor posição para dirigir e o banco é muito confortável, principalmente pelo apoio lateral; a estabilidade é esportiva, embora achasse a traseira leve (o Fiestinha é ligeiramente melhor, na minha opinião); o acabamento interno é muito superior ao dos concorrentes e alguns próprios da marca, como o Jetta, que desisti de comprar em razão disto; o câmbio é muito rápido e preciso em estrada; possui saídas de ar condicionado para o banco traseiro; o estepe é de tamanho normal.

Contras: a regulagem dos vidros elétricos fica em um local de difícil acesso e visualização, à frente do trinco da porta; o acabamento Black Piano por vezes reflete o sol e atrapalha (muito) o motorista; o porta-malas é pequeno (uma mala de tamanho médio só cabe de lado), e o seu acabamento, de plástico, é ruidoso e arranha com facilidade; as luzes, principalmente a baixa, são fracas para condução à noite, período de minha preferência para viajar; o câmbio é barulhento, conforme inúmeros relatos, em ruas de paralelepípedo (desde novo); o câmbio também segura demais a primeira marcha em ruas deste tipo, subindo até 4000 rpm por vezes, antes de passar para 2ª marcha; a suspensão é ruidosa em superfícies irregulares e um pouco firme demais; e por fim, o principal e maior problema de todos, que me fez vender o carro, o tamanho da roda e os pneus não são adequados para o pavimento brasileiro.

Carro da semana, opinião de dono: Volkswagen Golf Highline 2013/2014

Seguindo a linha desta última colocação, relato minha experiência com os pneus, complementando o já mencionado. Com quase vinte mil quilômetros rasguei um pneu, em um buraco, e troquei na garantia, como dito. Achei que talvez os pneus europeus fossem inadequados para o Brasil. Porém, mesmo depois de estar calçado em quatro Firestone Firehawk 225/45 R17, ainda estraguei mais dois pneus, um na estrada e outro na cidade, ambos com “bolhas”, que foram substituídos a R$ 450,00 cada um. Me desgostei do carro.

Carro da semana, opinião de dono: Volkswagen Golf Highline 2013/2014

Não somente em razão disso, mas acho que o carro, apesar de ser superior a qualquer outro da categoria ou na mesma faixa de preço, ainda não está adaptado ao nosso país. O câmbio não trabalha bem em paralelepípedos, os pneus são frágeis e as rodas são grandes demais, a suspensão é um pouco dura e ruidosa. A situação se agrava no meu caso, que resido no interior, e tenho que enfrentar estrada em condições ainda piores que aquelas dos grandes centros. Em suma, o vendi um ano e quatro meses depois, com 27.000 km, por R$ 76.000, e posso dizer que estou mais satisfeito com minha atual Amarok SE, pneus 265/70 R16, muito mais adequada para nossa realidade.

Finalizando, digo que o carro não possuía sequer um ruído interno quando vendido, apesar do tráfego em estradas ruins, e no que diz respeito à custos, o seguro saiu R$ 3.400 para mim, solteiro e com 24 anos. Espero que os leitores do NA aproveitem meu relato, e digo, concluindo, que compraria o VW Golf de novo…se morasse na Europa.

Carro da semana, opinião de dono: Volkswagen Golf Highline 2013/2014

Carro da semana, opinião de dono: Volkswagen Golf Highline 2013/2014

Carro da semana, opinião de dono: Volkswagen Golf Highline 2013/2014

Carro da semana, opinião de dono: Volkswagen Golf Highline 2013/2014

Carro da semana, opinião de dono: Volkswagen Golf Highline 2013/2014

OBS.: O leitor pediu para não ser identificado.

Carro da semana, opinião de dono: Volkswagen Golf Highline 2013/2014
Nota média 4 de 1 votos

266 Comentários

Clique aqui para postar um comentário

  • Carro igualzinho ao que eu adoraria ter. Branco, Highline, DSG e pacote Elegance, com as rodas mais bonitas que aquela Madrid meio preta meio prata (essas rodas aí são a Geneva).

    Só que aí eu lembro que moro numa cidade cheia de ruas de paralelepípedo ou ruas de terra com 10 buracos por metro quadrado, e começo a pensar que não seria um carro tão confortável ou com pneus tão duradouros assim…

    • Outro dia comentei aqui que sedãs e hatches realmente bons não valiam a pena no Brasil (pensando BEM racionalmente), em função do pavimento, lombadas, desníveis, etc. Quase fui linchado. Não é só pneu, a própria altura e o ajuste da suspensão não ajudam. Hoje já não critico mais quem opta por um crossover no Brasil, pois infelizmente é de dar pena colocar um bom carro europeu pra rodar em condições tão ruins.

      • Exatamente, th!nk.t4nk tive um peugeot 307 o carro é muito bom mais nosso piso infelizmente inviabiliza o uso. como finalizou nosso amigo, compraria outro 307/308 se morasse na europa rs.

        • A 4 patas tbem sofreu com os pneus do Golf.. Mas curiosamente com o Cruze nao.

          Sera que nao tem algo haver com a suspensao mais dura dos vw???

          E uma dica.. Nunca freie sobre buracos e lombadas. A força o impacto se tornara muito maior.

          • Se eu não me engano o perfil que muda. O do cruze se eu não me engano fica entre 50-55 e o do Golf é 45.

            Pode parecer uma diferença pequena, mas é crucial nas nossas ruas.

            É por isso que muita gente não entende o uso do aro 17″ na versão intermediaria do Civic… pois ele é bem duro e ter uma roda maior com pneu mais fino pode dar nisso.

          • sim a suspensão desse golf e bem rigida nem se compara com o cruze e a mesma usada na alemanha a vw vai trazer um golf 1.4 tsi flex com eixo de torção feito o anterior mas adequado para nosso pais

      • Um jogo de rodas e pneus de medidas 17″ são bem salgadas, sairia em torno de R$ 4 mil.
        Mas a solução é simples, trocaria por um jogo de rodas menores de 2″ pelo menos e um pneu 60 de perfil. É aceitável para qualquer carro, só que tira um pouco a estética.

        • Muda a estética e o comportamento dinâmico do carro… EU não recomendaria isso de forma alguma… a ideia seria trocar o “91V’ por “94V”, tem uma maior resistência na composição e ajuda um pouco, embora não elimine o problema…

          • Realmente, e concordo, mas como anda as nossas ruas e trânsito seria uma alternativa, e não mudando a medida da circunferência da soma da roda com o pneu e na largura o comportamento mudaria muito pouco. O que mudaria, uma dobra nos pneus em caso de curva, diminuição da inércia em frenagem, diminuição de torque, só casos de piloto de corrida, não a vem interferir tanto.
            Pois trocar um carro que se gosta por causa de rodas, eu não faria isto. Guardaria as rodas grandes, arrumaria um jogo de pneus com rodas menores e usaria no dia-a-dia, e usaria as rodas maiores para ocasiões especiais.

  • Parabéns pelo carro, e sorte de quem pegar/pegou ele;
    Só um detalhe, você disse no começo que era um modelo disponível com rodas Madrid, mas estas rodas das fotos são a Geneva.

      • No começo pensei que fosse frescura dos outros. Mas por aqui, já vi 2 Golfs com bolhas nos pneus. Detalhe: um deles não tinha sequer 8.000Km rodados. Aqui no DF o asfalto é relativamente bom. Detalhe: ambos os veículos estavam com pneus de 17 da Pirelli. Presumi: Ou é defeito de fabricação mesmo, ou estes pneus são realmente inadequados para este veículo.

        • De primeira acho que as rodas 17″ são o “limite” para o nosso asfalto. Mas nos casos do Golf, o problema parece ser que durante um ano eles vieram com capacidade de carga inferior a necessária para o nosso piso. Por isso a VWB pareve estar trocando os pneus. Mas tem também como o pessoal dirige. Tem gente que não tem o menor cuidado, sobe no meio-fio e para com as rodas raspando. Com relação ao post, o fato dele trocar por uma picape, mostra como é o piso na região que ele circula. Inviável para carros de passeio.

          • Já viajei com o velho Gol G5 pelo Sul. De curioso, passei por umas pistas não-pedagiadas, que mais pareciam obra na segunda-guerra mundial. Na agonia para tentar sair de lá, ainda levei uma multa da polícia rodoviária federal, por não ter respeitado aquela “raspa” desintegrada (metade terra, metade cratera) que eles carinhosamente apelidam de “pista de aceleração”. O cenário era desolador. À época pensei que os pneus desintegrariam antes de conseguirir alcançar uma pista pedagiada. Foi uma experiência simplesmente terrível para mim e para a minha bateria de sambas. Tive que ligar o som do veículo no máximo, para tentar suportar os ruídos e o desconforto causados pelas deformações na pista. Nunca mais me atrevi a evitar os pedágios do Sul. Nunca mais!

            • Nossas estradas… Falar o que? Antes dos meus pais comprarem a casa de praia. Nossas férias eram na estrada. 15/20 dias. Do Rio para Salvador, Fortaleza, Goiânia, O sul quade todo.

              Mas a prova que isso não acontece só nelas e nem em regiões desfavorecidas. Perdi 2 pneus do Gol Tsi qie tive aro 14 185/60. A primeira com 3 meses de carro, praia da Barra da Tijuca, buraco com tampão de ferro mal colocado. Resultado bolha na banda lateral interna do pneu traseiro. O segundo alguns anos depois. Rua das Laranjeiras, Cosme Velho. Um buraco surge no meio de uma curva. Mesmo estando no máximo a 60 km/h. O pneu foi pro saco na hora. O IPVA que pagamos? Só rindo.

          • O problema não é o fato da roda ser aro 17, mas sim o pneu ter perfil mais baixo. O Cruze tem aro 17, só que os pneus são 225/50, um pouco mais altos, e não sofre desse problema.

          • mas pra uma picape a amarok ainda e macia é rigida ele vai ter conforto sem muito prejuizo e versão se vem com pneu 17 o perfil do pneu e maior que a 18 ou 19

      • É foda, uma vez numa avenida mal iluminada, à noite, vi um desses acertando um buraco em cheio. Devia estar a uns 60km/h. Deu dó, acho que era aro 17, perfil baixo, saiu uma fatia do metal da roda, parecia unha quando você puxa uma lasca….

  • Ainda acho que era mais negócio você ter negociado as rodas com alguém em troca de outras aro 16 (quiçá as originais do Comfortline) e usando pneus de boa qualidade (Michelin, pra mim) na medida 205/55 R16. Você ia ver o quão confortável seu carro passaria a ser, e os pneus seriam BEM mais em conta caso rasgasse.

    Pecaria um pooooooooooooouco na aparência, mas… sinceramente? Você teria ganho MUITO em conforto, e perceberia que talvez a culpa do desconforto no rodar fosse quase que puramente dos pneus ruins.

    • Não adianta
      O sonho do cara era ter uma caminhonete
      Ele comprou uma Amarok SE, que é 10x mais pelada que o Golf
      Gosto é gosto, não se discute
      É só um carro… um bem de consumo… Nada mais

    • Problema do Golf é que molas e amortecedores não são aptos para o péssimo piso Brasileiro. Neste caso, não há pneu bom que de jeito, tanto que ele relata que o carro tem a suspensão ruidosa. Só a engenharia pode alterar isso..

      • Perfeito comentário. Só trocar roda apenas amenizaria parte do problema, mas não resolveria de fato. É triste admitir, mas os carros precisam ser piorados (em comportamento dinâmico e consumo, já que a maior altura aumenta também a resistência aerodinâmica) pra se adequarem ao Brasil.

        • É só vc ver os Dacia vendidos no Brasil. Já vi vários taxistas elogiarem a durabilidade da suspensão de trator elevada dos Logan/sandero. Pudera o carro foi projetados pra países bagaças como o nosso; e na Europa é carro de indigente

      • O Golf foi elevado pela VWB em 2 cm se comparado ao Europeu, devido ao nosso piso irregular e bota irregular nisso. Tenho um Highline MT, pneus Hankook aro 16 e confesso que não sinto nenhuma batição de amortecedor ou mola. E onde moro o asfalto é bem lixo. Acredito que o Aro 16 ameniza este problema.

    • Concordo com você, se tivesse trocado as rodas talvez não teria desgostado do carro. Eu gosto dos pneus 205/60-16, que vieram no meu Fluence. Já rodei mais de 40 mil km e, mesmo transitando em estradas ruins (algumas nem deveriam ser chamadas assim) e até trechos de estrada de terra, nunca sequer tive um pneu estourado ou mesmo bolha nos pneus. Esteticamente os pneus de aros maiores e perfil baixo podem ser mais bonitos, mas, para nossa realidade, os pneus nessa medida tem melhor custoxbenefício.

    • Cara meu carro veio com pneu bridgestone de fabrica , quando caia em um burraco parecia q tava metendo uma faca no meu peito de tao alto. A primeira coisa q eu pensava era perdi um pneu uma roda e quem sabe um alinhamento de suspensão. Em resumo no tempo de vida útil do pneu “só” perdi 1 pneu.Mas quando troquei pelos Michelin da mesma medida parece que fui ao céu . Michelin é outro nível. Todo amigo quando reclama de de barulho de pneu ,qualidade e durabilidade eu só falo uma coisa . Bota Michelin e até agora ngm veio reclamar cmg

    • Trocando o pneu pra um indice 94 iria ajudar e muito, se eu não me engano ele vem com o de indice 91, mas tudo bem, fora que ele precisava de uma caminhonete, não um hatch!!!

    • Depende do conceito de “Pelada” abaixo itens de serie do confortline sem nenhum opcional:

      ABS” – freios com sistema antitravamento
      “EBD” – freios com distribuição eletrônica de frenagem
      “Keyless” – sistema de alarme com comando remoto e chave tipo canivete
      7 airbags (2 frontais com desativação do passageiro, 2 laterais, 2 de cortina e 1 de joelho para o motorista)
      Bloqueio eletrônico do diferencial “EDS e XDS”
      Cintos de segurança dianteiros com ajuste de altura, pré-tensionador e limitador de carga
      Cintos de segurança traseiros automáticos de 3 pontos (inclusive o central)
      Controle de tração “ASR”
      Espelho retrovisor interno antiofuscante
      Espelhos retrovisores externos eletricamente ajustáveis, aquecíveis, com “Side Blinker” e função “Tilt Down”
      Faróis de neblina com luz de conversão estática
      Fixação da cadeirinha de criança com sistema ISOFIX® / Top tether
      Freios com sistema “Multicollision Brake”
      Lanterna de neblina
      Limpador do para-brisa com temporizador
      Retrorrefletores nas portas
      Ponteira do escapamento dupla
      Rodas de liga-leve aro 16″ – “Dover” com pneus 205/55 R16
      “Park Pilot” – sensores de estacionamento dianteiros e traseiros
      4 portas
      Acendedor de cigarros e cinzeiro
      Alerta de perda de pressão dos pneus
      Ar-condicionado com regulagem mecânica “Climatic” e filtro de poeira e pólen
      Assistente de partida na subida “Hill Assist”
      Compartimento de bagagens com iluminação e tomada 12V
      Controle eletrônico de estabilidade “ESC”
      Descanso de braço dianteiro central com porta-objetos e regulagem longitudinal e de altura
      Descanso de braço traseiro central com porta-copos e acesso ao compartimento de bagagem
      Display multifuncional com computador de bordo
      Lavador e limpador do vidro traseiro com temporizador
      Luzes de leitura dianteiras e traseiras
      Para-sóis com espelhos e iluminação
      Sistema “Start-Stop” com recuperação de energia de frenagem
      Travamento elétrico central com comando remoto
      Vidros dianteiros e traseiros elétricos com função “one touch”
      4 alto-falantes e 4 tweeters
      Cabo de interface para iPod/iPhone
      CD-Player e um leitor de cartão de memória (SD-Card)
      Sistema infotainment “Composition Media” com tela touchscreen de 5,8″, sensor de aproximação e Bluetooth

    • Seguro é sempre uma surpresa (ingrata) e dependerá muito do perfil/domicílio do condutor. Em 2013, quando comprei um Onix, a cotação do New Fiesta 1.5 S foi algo que me fez desistir do auto: módicos R$4.800,00 (contra 1,7k do Onix). Hoje, com um 500, pago menos que o seguro do Onix.

      • Totalmente incorreto amigo… O corretor tem uma margem de descontos pra aplicar como qualquer negociante de bens e serviços. Você pode dar a sorte de ter algum conhecido que busque diversos preços em todas as seguradoras e ele normalmente indica pra você qual seria a melhor opção. Não podemos chamar de corretor aquele cara que fica sentado na agência bancária que precisa desesperadamente de cumprir metas e te empurra tudo o que ele puder. O corretor (que trabalha direito) é de muita ajuda, pois temos diferença de preço para um mesmo veículo com o mesmo perfil entre as cias de seguros.. inclusive entre Porto/Azul/Itaú que na prática são do mesmos donos (Porto). portanto esses profissionais são fundamentais pra que se economize e tenha alguém disponível para auxiliá-lo no momento de um sinistro. Tente pedir ajuda ao gerente do seu banco que te vendeu um seguro, quando roubarem seu carro…

        • e se eu fizer direto com a seguradora? Opa, não posso.

          Então infelizmente não posso concordar com teu argumento, que mais compara Gerente de banco com Corretor.

          • E você acha que fazendo direto com uma seguradora você conseguiria um preço e um atendimento melhor? Ou você ficaria algumas horas no telefone ligando para diversas delas em busca de uma melhor oferta? Na hora de um sinistro ele corre atrás de um monte de coisas que você não conhece e não tem cabeça no momento pra fazer, acredite, isso acontece! Um corretor faz tudo isso por você, e com certeza ainda consegue um preço melhor que venda direta, pq ele tem margens de descontos que a seguradora não faria por você, ele vende dezenas de seguros em nome dela, você só está comprando UM…mas nesse caso ele deveria trabalhar de graça é isso? Eu tenho uma certa vivência com seguros, pois tenho duas irmãs sendo que uma trabalhou 17 anos nesse ramo e a outra é corretora há quase 20 e sei bem o que passa com pessoas que quando tem um sinistro, a primeira coisa que fazem é ligar pra ela pra resolver, seja de dia ou de noite… Citei o “gerente de banco” pq quando se faz um seguro direto no banco pra conseguir alguma coisa que você vai pedir e ele te empurra isso, você fica à mercê de se virar sozinho se algo acontece, digo isso pq minha irmã já cansou de resolver problemas de pessoas que não fizeram com ela, pagaram mais caro e na hora do aperto o gerente manda eles ligarem na central da seguradora… Pois não são corretores, são vendedores de serviços bancários… Portanto como em muitos seguimentos profissionais o corretor de seguros é praticamente indispensável. Isso na minha opnião, talvez vc tenha um conhecimento e experiência melhor.

  • Quando o cara pega raiva do veiculo, por mais bobo que seja o problema, não adianta, vende mesmo. Comprei uma honda pcx 0km e com menos de 1.500 km minha mulher caiu um tombinho bobo e riscou a lateral, mas peguei uma raiva dessa moto que prefiro ir a pé na padaria que com ela.

    • Isso é verdade. Eu tinha pegado raiva do meu Astra tirado 0km por causa de barulhinhos de plásticos internos e do seguro (que não tem nada a ver com a qualidade do carro). Aí vendi e peguei um Civic, nem mais barato.

    • Quando o meu Sonic arrebentou o cárter num paralelepípedo pensei a mesma coisa, mas depois que ficou pronto já não quero mais vender de jeito nenhum, kkkk
      Já me acostumei até com os arranhões.

  • Um bom carro, apenas se mostra inadequado comprar um carro desses para rodar em estradinhas do interior e ruas esburacadas.
    Meio fora de propósito, mas deve ter servido de aprendizado.

  • Se mudarem a carga do amortecedor, não ficaria melhor para os pneus? Eu no seu caso, teria colocado rodas 16 e pneus maiores. Mas a amarok tbm é uma boa…
    O meu carro veio com pneus r15 195 65 da hancook e já estão com 46 mil km rodados e parece q duram mais 15 mil sem chegar na faixa de limite. Pego vários buracos e nunca tive problemas…

    • O índice de carga dos pneus do Golf que vinham até meados de 2014 eram mais baixos, mas parece que isso foi resolvido. Estão vindo com índice de carga superior e por isso, consequentemente, são mais resistentes a impactos. Isso tudo quem disse foi a 4Rodas no ano passado.
      Mas isso tudo não existiria (problemas com pneus) se nosso país fosse decente e tivéssemos bons pavimentos.

      • Isso eu vejo como um paliativo. Para resolver mesmo a questão da suspensão inadequada do Golf só um trabalho de engenharia na suspensão..Muitos resoveram esse problema comprando um Focus mesmo, que já está super adaptado a buraqueira e é bem confortável, mas sem deixar de ser bem estável…

  • Caraca, eu achava que todo Golf vinha com aquele farol lindo com o formato quadrado por dentro. Me enganei, esse aí ficou muito feio, bem pobre…

  • ótimo relato! Imparcial e coerente. O Golf nacional provavelmente vai estar mais adaptado ao asfalto marciano brasileiro.
    Só queria mais detalhes dos custos de revisão, de resto muito bom.

    • Palavra de quem tem um VW:
      Trata-se da mais careira dentre todas as 4 grandes, superando e muito as marcas francesas.
      Eles divulgam o valor das revisões sem mão-de-obra inclusa, que custa, em média, R$ 200,00 a hora. A Revisão do Golf DSG aos 60.000 km custa, módicos R$ 2.300,00, fora itens de desgaste e problemas que tenham de ser resolvidos.
      Tenho um VW Fox e um Ford Focus na garagem. O Ford além de ter revisões mais baratas, nunca me apresentou problemas e suas peças duram muito mais.

  • Esse lance de pneus eu acho que depende da região. Meu Bravo Tjet calça 215 45 r17 (que possui o perfil mais baixo que o seu). Já rodei 20 mil km com elê sem nenhum problema de bolha ou com relação a pneus.. As vezes quando vou balancear tem uma das rodas empenadas que me custam em média 60 reais. Mas rodo em estradas relativamente boas e moro em BH.

    Na época quase fechei um Golf de 92 mil na tabela por 86 mil reais. Não lembro os pacotes, mas tinha central, bancos em couro, teto solar, rodas diferenciadas e etc.

    Achei mais vantajoso pegar um Bravo Tjet semi novo com menos de 1 ano rodado e 17 mil im por 57 mil.. economize quase 30 mil reais e está me atendendo perfeitamente!

  • Parabens pelo seu relato isento. De tanto ler as mesmas reclamaçoes, 90% do cambio e 10% dos pneus/suspensão traseira e a consequente venda do carro, optei pelo Golf Confortline 1.4 manual 2015 que vem com rodas 16 e pneus 205/55 mais adequados ao piso brasileiro. Comprei semana passada meu Golf com IPI antigo saiu por R$ 69,5 mil. O seguro também é muito mais barato, paguei R$ 1650 em 7X com franquia de R$1600, o highline com DSG e mesmo perfil o seguro e franquia custavam o dobro, talvez pelas lanternas de LED que custam R$ 4000 o par e DSG que pode custar 20.000 a troca em uma eventual colisão. Fiz o test drive, o motor 1.4 turbo com o cambio manual de 6 marchas é excelente e tem o carro 100% na mão, não tem retenção e uma possivel troca de embreagem deve custar ~R$ 1000 comparado com os quase R$ 8000 (R$ 5200 so as peças e obrigatoriamente precisam retirar o cambio do carro que encarece a mão de obra) do DSG segundo relatos de alguns. Infelizmente o Golf passa a sair com motor 1.6 MSI manual por R$ 68 mil com a nacionalização, assim só vai existir o 1.4 turbo com o DSG e seus problemas. No Confortline manual 6 marchas mantem o bloqueio de diferencial (tração dinamica), 7 air bags, controle de estabilidade, tela 5.8, start stop, hill holder, alerta de pressão baixa nos pneus, bluetooth, gavetas sob os bancos, encosto de braço na frente e atras, milhas com luz direcional, controle de tração, park assist frontal e traseiro, tudo elétrico e um toque, etc. Perde as lanternas de led, ar digital, piloto, sensor de luz e os bancos possuem formato mais tradicional e a parte interna do painel é prateado ao invez do black piano.

      • Nenhum pacote, era o ultimo da cc com IPI antigo, preto. O mesmo carro mas usado estão pedindo 70mil, paguei R$ 69,5mil 0 Km. O mesmo modelo/ano e mesma concessionaria mas com IPI novo estão pedindo R$ 74,5mil. No site da VW tem a composição das versões, da “maquina” não perde nada do Highline para Confortline.

          • Vou tirar o carro na segunda. Não conheço o alemão mas pelo que dizem tiraram o freio eletrico e as rodas eram 17, o mexicano vem com 16 o que é bom pois o 17 não absorve nada as imperfeiçoes do piso e ha muita reclamação. Do Highline para o Confortline ao entrar no carro voce sente muita diferença mas a unica é uma faixa no painel pintada de prata no Confortline e black piano no Highline. O banco do highline a espuma tem formato diferente, mais esportivo mas também é de pano, vou colocar couro que muda o carro.

            • Tenho familiares que possuem o Comfortline alemão e o acabamento eh muito bom. Tem rodas de 17 , e realmente não são feitas pro nosso solo lunar, elas desenvolvem muitas bolhas. Fez bem em adquirir o com 16.

            • O alemão realmente tem freio elétrico. Mas as rodas dependem do pacote que você compra, o mesmo vale pro mexicano.Toma cuidado, porque colocar couro aftermarket pode atrapalhar o funcionamento dos Airbags que se localizam nesses bancos.

    • Deve ser depenado quando for fabricado por aqui e há rumores que perderá a suspensão traseira independente. A versão Trendline será um pouco mais do que um Polo era, a grosso modo.

      • Realmente, pelo que dizem talvez mantenha o controle de traçào pois deve estar junto com o ABS que é obrigatorio, o resto provavel que sera capado e deve andar menos que o Gol ou Fox com mesmo motor 1.6 MSI por causa do maior peso.

    • Pelos preços que citou par reparar o câmbio. Esses Golf Alemães, quando bem usadões e rodados, vão virar mico.. Pois provavelmente estarão “zuados” de suspensão e o câmbio será um problema e tanto..

      • Como fico com o carro uns 5 anos, isso pesou na opção do cambio manual. R$ 20 mil é o valor da nota que a CC enviou para a VW pela troca do DSG em garantia (alguém fotografou e colocou na internet) mas falam que para o consumidor custaria R$ 34 mil. A troca da embreagem dizem que ocorre com uns 60 mil, a quebra do cambio parece ser mais difícil.

  • Relato completo e bacana. Mas vamos lá, não cogitou trocar o conjunto rodas/pneus pelo do Golf de entrada (205/55 R16)? A 4Rodas teve o mesmo problema com os pneus que rasgavam ou criavam facilmente com nossos buracos, não só no Golf como no Classe A e resolveu o problema substituindo os pneus pelo mesmo modelo e de mesmo tamanho, mas com índice de carga mais alto (o que comprovadamente aumenta sua resistência).
    Já em relação a suspensão, todo VW, assim como todo carro alemão possui acerto de suspensão mais rígido. De fato para nossas condições de pista não é o recomendável, mas é o melhor para uma condução esportiva.
    Já o câmbio DSG do Golf 1.4T trabalha a seco. É um modelo diferente do DSG utilizado no Golf GTi e no Jetta TSi, banhados a óleo. De fato há um ruído quando se trafega sob pisos irregulares, mas é mais o caso de ruas com paralelepípedos.
    Penso que seria feliz com o carro se trocasse as R17 pelas R16 do Golf Comfortline.

    • São 4 rodas novas + 5 pneus novos, não sai barato. Pelo que andei lendo, quando o cara cisma com o barulho do DSG vende o carro pois não tem solução.

    • Realmente também não entendi porque alguém se desfaz de um carro somente por causa de rodas 17, que naturalmente possuem pneus de perfil baixo.
      Era simples: trocar por uma roda 16 original ou outra paralela que combinasse com o carro, com pneus 205/55 ou 215/60. Realmente não entendi e nunca tinha visto alguém comentar que trocou o carro porque não gostou de rodas 17.

      • Acho que no meio em que ele anda com o carro, o Golf era inadequado, já que pelas fotos, muito piso irregular, então o barulho do DSG deveria ser de encher o saco. Fora o fato de acabar com os pneus, então sem a devida adaptação ao “solo lunar brasileiro”, o Golf não é indicado para pessoas que vivem em lugares com vários locais com esse tipo de piso.

      • Adriano, trocar as rodas por uma de medidas menores só dá uma leve aliviada no desconforto, mas não resolve o problema, que é uma suspensão inadequada, principalmente de molas e amortecedores..Só a fábrica, a recalibração da suspensão, resolve em definitivo..

    • O barulho dos câmbios de dupla embreagem nada tem haver com o fato de trabalharem à seco ou banhados à óleo. No caso da VW, por exemplo, tanto Jetta TSI quanto o Golf 2.0 sofrem com reclamações referentes ao barulho do câmbio.

      • Creio que o barulho é intrínseco do cambio dupla embreagem independe se a embreagem é banhada a óleo ou não, visto que o que causa o ruido devem ser as engrenagens que ficam engrenadas (a próxima a ser trocada ) com a folga que existe ou surge aos ~5 mil km fazendo com que uma fique batendo uma contra a outra pois estão próximas mas sem tração , como um chocalho ao ser balançado ao passar por pisos irregulares.. Teriam que colocar um freio nas engrenagens para que a distância fique pequena e não causem barulho, mas precisariam alterar o projeto. Podem tambem via software não engrenar a próxima marcha mas a troca de marcha levaria mais tempo, acho que esse upgrade ate existe nas cc mas ninguem quer colocar pois perde desempenho. Pode ser que alguns câmbios como o powershift da Ford ou da Mercedes, que fazem menos barulho, mas demoram ou vacilam para trocar,, não mantenham a proxima marcha engrenada o tempo todo como DSG, perdendo em desempenho. Ou seja, pode aer um compromisso entre barulho em determinadas situações e desempenho. Porém esse barulho vier mesmo das batidas das engrenagena que sao banhadas a oleo, não deve causar nenhum dano ao câmbio, só o incomodo do barulho.

  • Alguns comentários sobre o texto:

    – O autor diz que o porta-malas é pequeno mas isso é uma coisa que poderia ser vista na hora da compra. Eu mesmo desisti de comprar um Golf GTI por causa dessa limitação.

    – O autor disse que desistiu de comprar o Jetta TSI por causa do acabamento interno mas depois trocou por uma Amarok, que tem interior do mesmo nível ou até pior ao do Jetta TSI. Achei meio incoerente, até porque a maior diferença do acabamento do Jetta TSI em relação ao Golf é nas portas, que realmente são de plástico duro (mas com apoio do braço em couro macio).

    – Suposta dureza dos pneus. Acho que o autor teria perdido menos dinheiro se trocasse todas as rodas e pneus por aro 16.

    Enfim, eu troquei uma Captiva, que era um carro com pneus de SUV, muito bons para a buraqueira, por um Jetta TSI e não estou arrependido não. A suspensão fica um pouco mais firme mas o carro não chega a ser duro. É o preço que se paga por ter um carro com tocada mais esportiva e que devora curvas.

    Tudo bem que não moro no interior e que dirijo mais em asfalto bom (justamente o que me fez parar para pensar se precisava mesmo de pagar o sobrepreço que os SUVs cobram), mas mesmo assim acho que trocar as rodas/pneus já resolveriam o problema do autor.

    A Amarok deve ser também um carro muito bom mas é uma categoria totalmente diferente. Por isso acho que as críticas contra o Golf foram na sua maioria injustas, de quem simplesmente comprou o carro da categoria errada.

    • Também achei injusta! O autor além de ter visto o porta-malas antes da compra, poderia ter feito um test-drive para verificar o nível de maciez da suspensão.
      Não entendo é essa troca de Golf por Amarok, carros totalmente diferentes em proposta e estilo e também em preço. E a Amarok para mim possui acabamento de Polo, bem pior que o de Golf.

      • Eu esqueci de dizer que, na época da Captiva, um pneu furou numa rua boa do Rio de janeiro porque passei sem ver num pedaço de louça que havia caído de algum caminhão. Apesar do pneu enorme e com perfil alto, o caco de louça furou totalmente o pneu, que se esvaziou em poucos segundos.

        Moral da estória: pneus furam, sejam eles de perfil alto ou baixo. Já tive outros carros com pneus de 14 polegadas e perfil normal, que nunca furaram durante anos de uso. É questão de azar ou por onde a pessoa passe.

        Tem muita gente que reclama também de pneus run flat e de perfil baixo em carros de marcas premium e que resolve o problema trocando os pneus por pneus normais e/ou diminuindo as rodas. Não vejo nenhum problema nisso, apenas é um custo a mais.

    • Na realidade o porta malas aumenta de 320l para 350l se tirar a plataforma que deixa o fundo mais alto. Pode também nos casos que precisa de mais porta-malas tirar o tampão assim cabe tranquilamente duas malas grandes, deve subir para uns 500l até o teto. Essa é a vantagem do hatch. Porem como o autor partiu para uma Amarok, qualquer carro provavelmente não caberia as bagagens dele.

      • Não é tão simples como você pensa. Todos os Golfs tem o “step” exatamente igual ao do conjunto. Esses 30 litros que você alega, no Golf, não são possíveis com o pneu de 16 ou 17 armazenado. O pneu teria que ser, no máximo, de 15 polegadas.

    • Ooohhhhhhhhh
      Pobrezinho do Golfinho
      Que injustiça, modeusdocéu!

      Fala sério
      O cara não gostou e pronto
      Se todo mundo gostasse de golf ele estaria no lugar do Corolla no ranking de vendas

      Golf não é carro pro Brasil, como ele muito bem citou

      E a grana é dele, se a Amarok conquistou ele pela suspensão alta, está tudo ótimo.

      • Não estou dizendo que ele fez uma má compra na Amarok, mas que o argumento dos pneus não justifica muito a troca do carro.

        Eu p.ex. não tenho filhos e sou eu e minha esposa mas tenho um sedã médio porque não gosto de carros compactos. Também nunca tive carro abaixo de 1.6, mesmo dirigindo 90% do tempo na p*** do trânsito travado do Rio de janeiro. Não preciso de tanto espaço nem de motor potente para andar a 60 km/h, mas eu tenho porque quero e porque ainda posso.

        Eu prefiro que alguém simplesmente diga: troquei o carro porque quis e pronto, o dinheiro é meu.

          • O caso dele não é o unico, em alguns Blogs os relatos são os mesmos de inumeros proprietaris do Golf DSG e todos passaram o carro para frente devido principalnente ao barulho do cambio e a retenção.

        • Exato, Golf é um excelente carro. Mas não é a oitava maravilha do mundo e muitos que compraram, se arrependeram. Principalmente devido a suspensão desconfortável e o problema do câmbio..

    • Excelente análise a sua, o pessoal reclama muito do acabamento do Jetta, não vejo essa diferença toda; também não concordei com algumas coisas, se ele quisesse mesmo ficar com o Golf o aro 17 viraria 16 e o espaço do porta-malas (que com certeza foi visto antes) não seria tanto problema assim, rsrs, mas enfim…

    • Concordo contigo, mas tenho um outro ponto.
      Em carros com ESP, a programação eletrônica leva em conta a medida das rodas e pneus que equipam o carro. Nao sei ao certo se mudar essas medidas sem reprogramar a central (se é que isso é possível) não vá interferir nesse importante dispositivo.
      Talvez se mudar por aro menor, mas mantendo o diâmetro original, acabe não interferindo…

  • Carro moderno, seguro, equipado…
    Mas aqui a realidade é outra. Como ele disse, um carro perfeito pra se ter na Europa
    Por sinal, é um dos mais vendidos por lá

    Claro que tem seu público cativo, mas passa longe da racionalidade.

  • O DSG segurar marcha em pisos ruins é uma reclamação bem comum de proprietários do Golf (eu inclusive), até hoje não vi nenhuma publicação ou a própria VW explicar o motivo disso.

    Sobre os pneus, até o momento (36000 km) não tive problemas (ufa), apesar de ja ter caído em alguns buracos em São Paulo. Os meus são Pirelli, se não me engano os mesmos do teste da Quatro Rodas.

    • Imagino que haja um sensor que detecta a vibração do cambio, como ele tivesse “pedindo” marcha, assim ao passar em um piso irregular o cambio vibra e ele retem a marcha até uma rotação alta para trocar. Ja com piloto automatico aparentemente ele troca, talvez o computador reduza um pouco a aceleração para verificar se o carro esta pedindo marcha, como não reduz a vibração ele detecta que a vibração e do piso e não do cambio, assim ele muda a marcha. Com a pessoa acelerando o carro uma redução da aceleração pelo computador para testar a vibração imagino que seria perceptivel e até perigosa. Teriam que ter dois sensores de vibração, uma para o carro e outra para o cambio para detectar esses casos.

    • Hahahaha. A Amarok aguenta uma socada forte e ainda adora carregar um monte de coisa nas costas…

      Engraçado é que quando você tem um carro alto, como uma SUV, vem logo gente dizendo que isso é carro que só mulher gosta porque é altinho. Que carro de macho mesmo são aqueles socados no chão.

      • Carro pregado no chão é o mais legítimo carro de Bay Tola.
        Quer ver se tiver aqueles trecos de erguer e baixar com bolsas de ar, adaptadas de suspensão de ônibus velho…

  • Uma coisa que observo muito é que, carros com um bom isolamento acústico são uma faca de dois gumes, muitas vezes por não escutar a suspensão, roda, pneu sofrer no piso em que se está rodando o motorista acha que a suspensão não está sendo avariada.
    Pessoas que sempre andam de vidro fechado, som ligado etc, demoram a identificar uma batida de uma bieleta dianteira por exemplo, por nao escutarem barulho dentro da cabine andam como loucos…

    Quanto a insatisfação com o Golf e satisfação com a Amarok, ficou claro que voce foi infeliz na escolha do Golf logo de inicio, levando em consideração o local onde você mora e o tipo de vias em que iria trafegar.
    Fora isso, bom relato.

  • Gostei do relato principalmente por mostrar que nem o mais “endeusado” carro dos fóruns pode ser adequado a todos. Se tivesse comprado o criticado Corolla com seu maravilhoso cambio CVT 7 marchas teria sido mais feliz com o carro hehehehe

      • Só 2 segundos? Tem certeza disso? Estamos falando de 25,5Kgm@1500rpms@140cavalos#4500prm@DSG@turbo contra o quê mesmo? No semáforo é uma questão de retardamento mental tentar provar qualquer superioridade do motor seja qual for o fabricante. Agora coloquem ambos os veículos na estrada e veremos se é apenas 2 segundos mesmo a diferença de resposta de ambos os motores…

        • A full power que testou o Golf original no dinamometro o real deu 177CV e 33Kgf. A maioria dos carros turbos o real e bem acima do declarado, nos aspirados ao contrario o real dificilmente atinge a potência declarada. O aspirado perde cerca de 1% de potencia a cada 100m acima do mar pois ha menos oxigênio, algo que não ocorrre com o turbo que mantem a pressão do ar constante no motor.

          • Me desculpe. Eu não confio na metodologia deles. Aqueles caras são amadores ao extremo. E outra: qual empresa emitiu o laudo aferindo os resultados daquela máquina de mil novecentos e antigamente? No mais, estamos falando de Brasil. No resto do mundo, com equipamentos de medição de última geração, ninguém contestou os valores declarados pela VW.

            • A materia foi gerada em relação a duvida em relação ao desempenho do Golf 0-100 em 8.4s e maxima de 212 Km/h, muito acima para im carro com 140CV. Ha também um teste feito pelo Rubens Barrichelo no volta rápida, o Golf Tsi roda mais rapido que o Focus com 178CV e Bravo Turbo. Se assistir o video, sem o DSG creio que seria ainda mais rapido, o DSG atrapalha na pista. procure por: FOCUS X GOLF TSI X BRAVO T-JET – VOLTA RÁPIDA ONBOARD #30 COM RUBENS …no youtube.

  • Se o cara trocou o carro pelas rodas, deixa ele. Gosto é gosto.
    Sobre esse tema (rodas 17″), numa boa, até a honda se rendeu a isso no civic na banânia. E eu acho isso uma bobagem tremenda. Banânia nao tem pavimento para rodar com roda 17. Exceto estradas de SP.. Qualquer carrinho melhor hoje está vindo com rodas 17″ou acima, está lama. Prejudica conforto e fura pneu com mais facilidade. Até o ganho estético pode ser relativizado, pois uma (bela) roda 16″ faz tudo o que vc precisa.
    Alguns dizem: abaixo a ditadura do câmbio automático. Eu digo: abaixo a ditadura das rodas de 17″!!!!!!!!

    • Pois é, também não curto esse fanatismo por rodonas. Tinha um amigo com um Gol com rodas 17″, morando numa cidade com poucas ruas asfaltadas. Até ficava bonito, mas pensa que confortável era pra andar na máquina.

      Acho que isso deve existir um acordo entre fabricantes de pneus e montadoras; imagina quanto as marcas de pneus não lucram com isso…

    • Tenho um Civic 2016 com rodas 17″ e mesma medida do Golf, e concordo que me pareceu um pouco mais rígido que o anterior (com rodas 16″) porém bem mais estável. Também tenho a sensação de que os pneus podem estourar se cair em algum buraco, ou mesmo criar bolhas, mas até o momento nenhum problema. Ando de boa e tomo distância para visualizar bem o caminho. Quanto a ruídos de acabamento, só um no botão de ajuste do cinto do motorista (bem no meu ouvido esquerdo, hehehehehe) quando passo por ruas de paralelepípedos. Na primeira revisão vou reclamar disso.
      Outro ponto: os pneus são da marca Pirelli, modelo P7 Cinturato nacional. Talvez por este fato sejam mais resistentes que os europeus que equipavam o Golf do colega.

    • “ditadura das rodas 17”
      Acho que conheço isso de algum lugar
      não é lá dos caras que vivem falando em “sacos de lixo” nos vidros?
      algumas coisas eu concordo com eles… como as rodas 17 serem péssimas pro BRAZIL e que as películas PODEM ATRAPALHAR EVENTUALMENTE em alguns casos…
      Mas esses caras são muito nonsense, têm uns pensamentos de meio século pra trás.

      • Voce devia respeitar mais esses caras. São engenheiros, ex-pilotos, pessoas que já trabalharam em grandes empresas. Vire e mexe são convidados pelas empresas para avaliarem os produtos dentro das fábricas. Eles só têm personalidade suficiente para não aderirem as mimimis do comentaristas de Internet que vemos hoje.

    • Vai ser dificil achar o manual pois vendeu pouco, todo mundo foi para o DSG, esse vai achar aos montes. No segundo semestre sai o Golf nacional mas com turbo só com DSG. O Golf turbo manual anda quase igual ao Civic Si novo, também com cambio manual mas custando R$ 115 mil.

      • o novo SI não anda então…achei o GOLF bem normal nesse quesito. ele não é aqueeela coca cola toda que alardeiam por aí….. é normal. lembrando que não falamos GTI…

        • 0-100 8.1s no Cívic Si e 8.4s no Golf tsi. Mas como o torque do golf já esta a 100% em 1500 RPM e no Cívic Si só com rotação bem mais alta, na pista real o Golf Tsi deve dar trabalho.

          • 8.1?! é , nem sabia disso… é lento. pra ostentar ser SI. acho que o “golfizinho” dá dentro…. a não ser que estejamos falando do kamikaze mode na pilotagem…rsrsrs

      • Frequento o fórum. Inclusive abri o tópico na época. Já trocaram e não mudou nada. Não sabem como resolver. Tive outros problemas e estou na justiça. Obrigado pela dica.

        • O seu é aro 17? Esse pneu o ombro é bem fino e duro não absorvendo quase nada as imperfeições. O pneu com perfil 65 é o ideal para o Brasil mas perde a esportividade. Talvez testar com aro 16 so para ver como fica. (205/55R16).

          • O meu roda com hankook Aro 16, veio no Highline alemão. Confesso que não sinto nada destas imperfeições de solo que tanto falam, batição dura, ou qualquer outra forma de barulho na suspensão e olha que onde moro o asfalto é um lixo.

            • O meu também. Rodei 64.000km, e não tenho absolutamente nada do que reclamar. Aliás, eles estão bem longe de atingir o TWI. Deve durar uns 100k, a julgar pelo desgaste aparente. O detalhe é que esse modelo VentusPrime2 não é vendido no Brasil. Por minha experiência com outros pneus (Pirelli P7 e Phantom), fiquei bastante impressionado com o desempenho e qualidade desses Hankooks . A próxima substituição será com Hankooks análogos. Aqui no DF o valor de cada um é cerca de R$ 350,00.

  • “[…]e o seu acabamento, de plástico, é ruidoso e arranha com facilidade;”

    Estranho, ao meu ver, é ser o primeiro comentário falando mal do acabamento do veículo.

    “Espero que os leitores do NA aproveitem meu relato, e digo, concluindo, que compraria o Golf de novo…se morasse na Europa.”

    Ou em Brasília.

    • Neste caso aí, o ruidoso é exagero sem cabimentos. Não há ruído algum. O problema é que o plástico é macio demais, como se tivesse uma “camada” de proteção, sei lá. Ele esfola se for forçado, ou atritado por caixas ou malas, a exemplo. Mas só “esfola” porque foi concebido para ser agradável ao toque. Uma tremenda besteira. A VW podia ter colocado um plástico bem duro e resistente, isso sim. Afinal de contas, ninguém precisa ficar apreciando a qualidade do acabamento de plástico do porta-malas. Ele precisa é ser resistente.

    • Pois, é. Não precisa morar na Europa para desfrutar de um asfalto com razoável qualidade. Não que o asfalto daqui (Distrito Federal) seja o supra-sumo do respeito com o dinheiro público. Há cerca de 2 anos, 80% do asfalto do DF foi refeito (arrancaram e refizeram). Não ficou perfeito, mas é aceitável.

        • Na cc (Piracicaba) que comprei o meu só tinha com teto, como não pago 5K por um teto só tinha 1 unidade sem o teto, o que eu comprei. Talvez nos novos lotes tenha colocado com teto.

          • Para mim é absolutamente dispensável o teto. Mas eu tinha interesse no sistema de som Dynasound e no sistema de segurança pró-ativa (aquele que prepara o veículo para uma possível colisão)

          • Já que você insiste, que tal um 508 2013 com 10.000 km rodados por 71K ? (Webmotors). Ou então um 3008 2012 com 24.000km por 52K, ou mesmo um Passat 2.0 TSI 2012 com 26.000km por 74K ?

            • Estas escolhas são boas, mas não são maravilhosas. Só faltou você desvendar outras questões mais críticas, já que está a pegar um veículo usado: a) Valor de mão de obra das revisões. b) Custos de revisões subsequentes. C,) Custos de peças (Faz idéia do valor das cesta-básica de peças do Passat???) D.) Valor de seguro? E por último, e não menos importante: O quê, em matéria de segurança, cada veículo usado desses te ofereceria porque 2 airbag e abs qualquer popular tem…

              Minha namorada pegou um Fit 2008 EX por R$ 22.000,00, e para deixá-lo com a mecânica redonda e “confiável” foram-se R$ 4.500,00. Detalhe: é um honda fit apenas.

              • Já vi que seu conhecimento automobilístico é bastante limitado e acha que, andando de golf, está na última palavra em termos de carro…ficamos por aqui. Abraços!

                • Eu não acho nada. Esse carro é adequado à minha realidade particular, e somente isso. Mas já percebi qual é a sua. Sucesso e paz em suas incontestáveis escolhas.

                  • Não perca tempo em discutir com os mestres da webmotors… 508 2013 por 71.000… Pelamor… Só na net mesmo. Ou no clube dos milionários excêntricos. Imagina achar peça de reposição para isso se quebra uma lanterna.

                    • Pois é! Não dá para delongar esse tipo de discussão. Mas a título de curiosidade, um conhecido meu se gabava com um Azera de baixa quilometragem, segundo ele comprado por uma verdadeira “pechincha”. Pois bem, ele se envolveu em uma leve colisão, e acabou acertando destruindo o farol do próprio veículo. Resultado: R$ 7.300,00, somente 1 (um) farol. Detalhe: esse veículo está totalmente fora da realidade econômica dele, e ficou uns 10 meses guardado. Ele sequer tinha o seguro do Azera.

                    • POis é. EU acho que comprar um usado é uma ótima opção se ele for compatível com sua realidade. Então se você pode ter um gol 0km, pode também economizar comprando um gol usado. Ou partir para um degrau acima (Apenas um) tipo um fox. Ainda assim com cuidado. Estes saltos, de quatro categorias, são fáceis de realizar na hora de botar o carro na garagem, mas difíceis de manter lá. Especialmente se é o único carro da casa ou coisa do gênero.

        • Não se esqueça de que pra você comprar um “excelente carro usado”, alguém tem que estar vendendo ele, e que muito provavelmente essa pessoa estará comprando um carro novo.

    • Pois é na Europa onde faz um sucesso enorme as ruas são um tapete, no Brasil o bicho pega. No desespero de ter algo importaram o golf sem nenhuma tropicalização, tão queimando o carro, mesmo que aconteceu com a Peugeot.

      • Na Europa o Golf é o mais vendido tem o que, uns 30 anos ou mais? Alguém me corrija se estiver equivocado sobre isso. Comparo o caso dele com o do Gol, que ficou quase esse tempo como o mais vendido, e o mais vendido não significa o melhor. [Fanboys da VW, eu não disse que o Golf é ruim, ok? Relaxem.]

        • Mas o Focus tem teto de papelão, cruze gasta muito e é manco e Bravo é um lixo! Golf sim é “The Very Best” (relaxe, to só treinando a carbloguisse rsrsrsrs)…

      • Exatamente Bartolomeu. No intuito de “melar” o lançamento do atual Focus nosso. A VW importou a toque de caixa os Golf Alemães.De fato, atrapalhou e muito o lançamento do Focus. Mas hoje vemos o problema que causa aos proprietários..

  • Começa por ter comprado o carro errado pra você desde o começo amigo, falar do acabamento do Jetta e ir pra uma Amarok por favor é no minimo uma tremenda incoerencia. Pelo que você falou parece que ja tinha conhecimento das situações que voce iria enfrentar com o carro e mesmo sabendo que não era o ideal ainda sim foi la e comprou. Resumindo esse “opnião do dono” compro e se arrependeu e comprou caro e vendeu barato.

  • Tenho um GOLF HIGHLINE com as mesmas características. Fica a dica. Pneus Michelim Primacy 3 225×45 troquei recentemente e paguei R$439 cada. O carro ficou bem mais silencioso e confortável. A especificação é 94W ao invés do 91V. Outra coisa, já tive um outro golf com pneus firestone e posso afirmar, são bem inferiores aos atuais.

      • Pelo que me disseram o Continental, é um pneu mais mole e fácil de criar bolhas. O Dunlop a descrição seria “chiclete”. Mas comparando com o Primacy 3 não trocaria por nenhum dos dois. Estou satisfeito com o atual.

    • Tenho um A3 Sportback e tava com um Michelin Pilot Sport que não durou nem 20 mil km direito… Coloquei esses Primacy 3 iguais aos seus e tá uma maravilha o carro, outra coisa… Paguei R$300 em cada um numa promo do submarino!

      • Pilot Sport tem durabilidade menor mesmo pois é de alta performance normalmente 91 Y e todo pneu Y dura menos. Durou bem 20 mil km. Depois disso começa a ficar barulhento… Já o W e o V devem durar pelo menos 30 mil km..

  • Eu quando fui trocar de carro a ultima vez fiquei muito na duvida entre um Golf, so que tinha ouvido relatos sobre os barulhos do câmbio em piso de paralelepípedo e é oq bem tem na minha cidade. Engraçado q acabei pegando um carro com rodas maiores ainda, que é o DS4 porém como o mesmo tem a suspensão com cerca de 20cm de altura entre o solo e uma suspensão macia nunca tive nenhum tipo de problema

  • Avaliação honesta. Só diria que pelo que entendi, não é exatamente o carro que não é adequado ao Brasil, mas pelos lugares que o cara passa, ele precisaria de um carro com uma pegada mais offroad mesmo… onde tem asfalto razoavelmente bom ele não teria esses problemas.

  • Gostei do breve relato! Ele mostra que nem todo mundo se apaixona pelo Golf, como muitos gostariam que fosse!
    Carro deve atender às necessidades de quem o compra, mesmo que seja um up, ou um Etios, ou um A4, X1, o que for!
    Legal que explicou como utilizou o veículo e não o denegriu por não atender às expectativas!
    Parabéns por expor sua experiência!

  • entendo a posição do rapaz, mas nao da para generalizar, é um excelente carro e nao serve para ele pelo local que ele mora cheio de buracos e paralelepipedos, tanto é que olha a diferença de carro agora, o cara ta com uma amarok… nao ter esse carro por causa do pneus e tamanho da roda depende de cada um e onde ira usar…….
    ja que ele falou em pneus, tenho um Jetta que veio com pneus aro 17 da Bridgestone fabricados na polonia, os pneus ficaram um lixo com alguns mil kms rodados, pois é pneus para rodar na europa e nao no Brasil, alem do carro ficar duro demais e barulhento, o carro fazia um barulho absurdo com menos de 20 mil km e todos os pneus estavam deformados, tava parecendo uma carroça, a principio achava ser problema do carro, no rolamento, enfim descobri ser pneus apos reclamar muito com a VW…. pesquisando na net descobri que a Bridgestone estava trocando em garantia estes pneus do jetta, trocaram o RE050 pelo potenza RE760 made un Brasil, problema resolvido, o carro parece novo com os novos pneus e ficou muito mais macio, no meu caso uso o carro em Curitiba que é menos pior que muitos outros lugares Brasil afora, nao que ctba seja boa, tb ta uma porcaria, mas tem lugares piores….

    • Nada a ver esse teu comentário. Primeiro que VW não é referência alguma de qualidade no Brasil. O cara comprou o veículo errado, mais por impulso do que necessidade, e ficou claro isso no relato dele. O território das pickups é totalmente o inverso do Golf. Outrossim, há um abismo tecnológico e de conforto entre os 2 veículos. Já li uma penca de reclamações sobre a correia dentada da Amarok. O que eu acho incompreensível é o cidadão adquirir uma Pickup para ficar desfilando nos grandes centros urbanos. Território hostil (estradas de terra, pistas fraturadas) adequa-se com um veículo desse “porte” mesmo.

      • Vc que não entendeu meu comentário.
        Não falei da qualidade do carro, não falei da qualidade da VW, não falei da qualidade da Amarok ok.
        VW não é referência de qualidade, tem razão, mas o Golf é, sem dúvida. Sua fama é merecida. Mas como vc poe ver neste fórum, muitos fãs do Golf reclamaram do relato pois o cara trocou o carro, não lhe satisfez, se desgostou dele, não viu vantagem. Por outro lado, trocou por outro VW, que apesar dos problemas, ainda é uma excelente pickup.
        E outra, o cara mora no interior do RS, onde provavelmente a qualidade das vias justifica mais uma pickup ou SUV do que um hatch baixo. Tá certo ele, pois as razões são dele, não cabendo à mim julgá-lo, como muitos aqui o fazem.

        • O problema desse “artigo” é que na realidade nem chega a ser uma crítica ao Golf, tanto que ele mesmo disse que não teve defeito nenhum no carro em si, apenas que as rodas grandes não eram adequadas para a buraqueira.

          E tanto o autor gostou do Golf que comprou outro VW, de estilo completamente diferente.

          E mesmo pneu de Amarok fura se passar por um buraco fundo. Como eu disse acima, já furei um pneu de Captiva (que deve ser de dimensões parecidas) rodando numa rua asfaltada do Rio de Janeiro, por ter passado em cima de um caco de louça quebrada.

    • É estranho no caso do Golf. Pois estamos falando de um veículo de 4,25m de comprimento com entre-eixos de 2,63m. Ou seja, ele é espaçoso. A VW conseguiria um porta-malas mais, digamos assim, descente. Se melhorassem uma trisca esse projeto, facilmente o porta-malas alcançaria os 400 Litros sem prejudicar o espaço interno.

      • Creio que priorizaram o espaço interno, ha muito espaço para os passageiros de trás. Além disso, como é um hatch pode tirar a tampa e aproveitar o espaço até o teto.

  • Acho q o problema não está nos pneus/rodas e sim aonde vc trafega, além da suspensão. Rodei mais de 50 mil com meu Cruze com essa mesma medida e vendi o carro com os 4 pneus meia vida e sem bolha alguma.

  • Foi a conclusão mais pífia que já li! O problema não está no Golf, mas no condutor, que escolheu o veículo errado para o tipo de pavimento em que trafega.

  • Tenho um golf identico ao avaliado no post e realmente não eh um carro feito pra rodar no Brasil pelas proximas decadas. Perdi um pneu também apos cair em um buraco, estava a uns 80km/h mas era um senhor buraco e fiquei ate feiz por não ter pedido a roda. Comprei outro pneu com um indice 94, antes o 91. Tenho tambem um Frontier, que ainda não vendi pois quando viajo pra onde sei que a estrada ta ruim (maioria dos locais), vou nela. Enfim, o ideal seria ter estradas bem pavimentadas e sinalizadas. O golf, em si, eh um espetaculos, mas não combina com a bananalandia, lamentável.

  • Muito bom relato, realmente honesto.
    Eu tenho um Chevrolet Cruze e os pneus são 225/50/R17 considerados de perfil baixo, e mesmo dentro de Porto Alegre ando muito por ruas de paralelepipedo e piso irregular. Antes tinha um Focus 2008 com pneus 195/60/R15, este já com um perfil mais alto.
    Comparativamente acho, hoje, o Cruze tão confortável quanto o Focus, não senti diferença entre os dois carros no diz respeito à trepidação.

  • Deixei de comprar um Golf ano passado por vários dos motivos citados por ele – revisão que a mão de obra é cobrada por fora;
    barulho e retenção de marchas no dsg;
    pneu 17 q faz bolha com muita facilidade, seja por culpa do perfil e/ou do índice de carga;
    inúmeros relatos de amortecedores traseiros sendo trocados em garantia por estourar ou por fazer ruido em excesso e preço do seguro um pouco alto (faixa de 4mil)

    • Comprei o Confortilone manual R$ 69,5 mil, seguro barato (R$ 1650), revisões baratas, não tem barulho no cambio, não tem retenção, cambio 6 marchas padrão quiabo, rodas 16 205/55 mais apropriadas as buraqueiras do Brasil. Tem o turbo, volante de couro, 7 airbags, controle de tração, bloqueio diferencial, multimedia 5.8 pol, controle de estabilidade, sensores ultra son na frente e atras, start stop, hill holder, tudo eletrico um toque, ajuste lombar, sensor de pneus com baixa pressão, etc, etc, etc.

  • Tenho um Golf highline com pacote exclusive, ja estou um ano com o carro e o unico problema que tive com pneu foi uma bolha, porem foi um buraco enorme que peguei a uns 80 por hora, era de noite estava chovendo e nao vi o buraco pq estava cheio de água, no dia seguinte passei de novo pelo local e tinha pelo menos uns 50cm de diâmetro. Realmente os pneus que equipavam o golf no inicio (nao sei qual está vindo agora) tinham o indice de carga menor que os nacionais portanto são mais frágeis que os vendidos aqui, mas acredito que por nao ter pavimento muito ruim na minha regiao nao tive problemas.
    Quanto aos outros problemas citados pelo nosso colega, realmente o porta malas é pequeno pra quem viaja, em pisos irregulares o cambio costuma segurar a primeira e as vezes a segunda marcha, mas na ccs me falaram q é possível regular isso (nao sei se é verdade nao realizei o serviço), o acabamento black piano as vezes reflete e incomoda mesmo. Já os outros problemas citados nao concordo, nao acho a regulagem dos vidros com acesso ruim, a suspensão nao me incomoda, o famoso barulho da caixa de cambio nao escuto com a janela fechada (só ando com janela fechada), ja fiz o teste e o barulho aparece em pisos irregulares mas como falei só da pra escutar com janela aberta, fechada nao ouço nada.
    Como eu disse minha cidade costuma ter o pavimento razoavelmente bom, acho bem melhor que muitas cidades por ai, talvez isso contribua para eu nao achar a suspensão dura ou pneus inadequados, no geral estou muito contente com o carro, ao meu ver é disparado o melhor custo beneficio que existe hoje nessa faixa de preço se vc nao precisa de um porta malas grande.

  • Entendo ele perfeitamente… Não sei porque essa obsessão por rodas enormes e pneus de perfil baixo. Acho isso um saco. Minha mãe teve um Picanto da geração antiga e… por ter pneus de perfil baixo, teve bolhas em dois pneus. Tentou trocar pela garantia da Kia, mas não conseguiu, aí resolveu trocar por pneus de perfil maiores…

    Nessas cidades e estradas porcas do Brasil, tem que ter um perfil alto e rodas menores.

  • Ultimamente os buracos em São Paulo vem piorando na mesma velocidade que os canteiros são pintados de vermelho com valor super faturado pelo nosso querido petralha doente mental.
    Nossa ruas estão destruídas de uma forma que nunca esteve, sempre foi ruim mas ultimamente está simplesmente caindo os pedaços em todos os lugares, andar de carro por aqui virou um desafio de paciência, resistência do carro e coragem para não perder dinheiro quebrando a suspensão ou estourado os pneus.
    Antes eu achava que aquele retardado do Kassab era um maníaco por criar aquele controlar (forma que ele achou para extorquir dinheiro das pessoas) já que ele começou a fazer vistoria nos carros que precisavam só depois e fazia carros com 200 km passar por vistoria.
    Mas o Raddard, novo nome dele porque só fez quadruplicar os radares para aumentar ainda mais a extorsão e a sanha por dinheiro, não está dando minima para ninguém, segurança de ninguém conseguiu ser o pior prefeito que já existiu de todos os tempos, o bandido está desviando milhões com as ciclovias, deixou a cidade um caos, as ruas estão piores que ruas de terra do interior e as ruas continuam sendo pintadas de madruga, vc pode acordar e simplesmente ter a metade da rua que ninguém anda de bicicleta pintada na frente da sua garagem.
    Maus ae o desabafo, mas sonho com o dia que o partido dos petralhas não existirá mais e todos esses bandidos estarão presos,entao teremos a chance de ter um país um pouco melhor (menos pior)

    • Deixe de ser pândego seu Fanjos. Prisão de político no Brasil chega a ser um prêmio para eles, jamais uma punição séria para o resto do mundo apludir. A situação da corrupção atingiu o ápice neste país. Todas as esferas do poder possuem o seu grau de podridão em um nível jamais observado noutras épocas. E sendo bem sincero, bem sincero mesmo, eu desejo é a morte dessa cambada, sejam lá de qual partido ou (cargo público) forem. Estou ficando farto de tudo isso. Protestinho pacífico não resolve nada, pelo visto.

      • Pensando bem verdade não vai resolver prender ninguém é acho que nem quebrar nada.
        Querem protestar? Comprem um Sniper e acertem a cabeça desses vermes um por um

  • A revista QuatroRodas rodou com um Golf 1.4 TSI DSG no teste “Longa Duração” e constatou os mesmos problemas de câmbio barulhento em pisos irregulares, pneus incompatíveis para as ruas e estradas brasileiras, além de outros. Por isso o VW Golf nacional terá rodas aro 16″ e pneus 205/55 nacionais, suspensão reforçada e elevada, transmissão manual de seis velocidades, com preço menor que o modelo alemão.

    • A versão nacional manual sera com o motor 1.6 16V MSI aspirado mesmo usado no Fox/Gol, um Golf “manso”, 1.4 turbo só com DSG. Os primeiros, modelos 2013/14 alemães vinham com aro 17, os 2014/15 importados do Mexico ja vem com rodas 16 e pneus 205/55.

  • Carro é espetacular msm. E ele citou um ponto mto interessante que eu tbem sofro que é: Esse carro é pra asfalto padrão 1° mundo. Aq em Goiânia não tem mto buraco, mas o tapa buraco é quase uma lombada e o carro chacoalha mto por ter Susp mais dura. Outro ponto que tem mto aq e em outras cidades Brasil afora tbem são ALAGAMENTOS, e eu já tive que desviar do trajeto pq a altura da água estava alta. Então eu acho que ele fez certo em comprar uma camionete flex ou então um SUV tbem. Por isso vejo que os SUV’s estão em alta no Brasil. Pq as cidades brasileiras são um verdadeiro off road.

  • O que achei interessante (e gostei) foi que o relato se deu após a venda do carro, ou seja, depois de ter toda experiência com ele e estar livre da desconfiança de “puxar a sardinha” para o próprio veículo. E belas fotos da viagem!

  • O meu carro usa rodas 18 e pneus 225/45 da Goodyear Run Flat, e até agora nenhum problema ou bolhas. Claro que sempre fico de olho nos buracos ou valetas, mas muito estranho esses casos de bolhas nos pneus dos Golf e tbm de algumas Mercedes A200, que tbm sofreram desse mal nos testes da revista Quatro Rodas. Muitos outros carros usam rodas grandes e perfil baixo dos pneus, acho que o Lancer tbm usa altura 45, e até agora nenhum caso relatado como nos outros modelos.

  • O meu 15/15 manual e aro 16′, então passo tranquilo pelos buracos, confortável, conjunto mais leve e barato na reposição e menos chance de problemas, mesmo assim é tanto buraco que tudo pode acontecer. Só não tá “lindão” com rodão!!!

  • Faz tempo que falo, essa mania de empurrar roda enorme e pneu fino é um saco. Meu pai tem um jetta 2009 e pena com isso também, já perdeu a conta de quantos pneus perdeu.
    Mas isso também é um problema infinito: meu carro que usa aro 15″ e pneus mais gordos também perde pneu. Penso que o dia que todos tiverem carros com pneus mais borrachudos o governo vai largar ainda mais mão do asfalto. É muito triste termos que abrir mão de tantas coisas boas por tanto descaso.
    Com certeza o nacional com o 1.6 16v vai vir com conjunto roda/pneu mais realista.

  • Este carro é uma porcaria, cheio de problemas, barulho no câmbio, retencd marcha, barulho no teto entre outros problemas, não comprem e não vale a pena.

  • golf é um carro para quem entende realmente de carro, para quem conhece a fundo. a vw alemã não esta preocupada com curiosos falando besteira sobre o carro, a vw pensa em agradar quem já conhece o seguimento la de tras dos anos 80.. até hoje. o golf veio passando por modificações mais a robustes, a segurança, a suspensão gostosa mesmo em terrenos ruins, a qualidade do material empregado e outras coisas superam outros carros da categoria. o golf tem algumas coisas que não prestam como os vidros quebram muito nos anos 90 as trancas peneumaticas davam problemas etc.. mais nada que deixe vc apé na rua ou que tire seu prazer de dirigir um alemão legitimo. golf é golf não importa o ano nem o modelo, eu tive um por 14 anos e nem carro novo de luxo tem o jeito do golf. ele é único no seguimento.

  • amigo parabens pelo carro e pena que tenha vendido, tenhu um cruze lt manual com rodas pneus 225/50/17,não posso reclamar, bem silencioso. mas o sonho é um golf. moro interior parana, as ruas aqui não são boas, mas os pneus se comportam bem. os primeiros troquei com 30000km goodyer excelente, pneu ruim e barulhento e fazia escamas, veja em qualquer carro de outras marcas. mesmo problema. coloquei um da marca momo, olha, excelente, sem barulho, macio, ja esta com 22000km rodando com ele, e perfeito sem escamaçoes.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email