Chevrolet Cruze – defeitos e problemas

Chevrolet Cruze - defeitos e problemas

O Chevrolet Cruze de segunda geração é um sedã médio produzido na Argentina e que chega ao país junto com sua variante hatchback, o Sport6. O modelo trouxe diversas inovações sobre o anterior e ficou mais atraente. Oferecido com motor turbo, o Cruze parece ter superado o antigo em termos de performance e espaço, mas será que tem muitos defeitos e problemas?


Feito sobre a plataforma D2XX da GM, o Chevrolet Cruze ficou maior e mais aerodinâmico, trazendo consigo um novo motor, o 1.4 Ecotec Turbo com injeção direta de combustível e tecnologia flex com 150 cavalos na gasolina e 153 cavalos no etanol, além de bons 24,5 kgfm no combustível vegetal. O câmbio, porém, é o mesmo automático de seis marchas já usado anteriormente.

Apostando em novas tecnologias, o Chevrolet Cruze dispõe de multimídia MyLink com Android Auto e Car Play, Start&Stop, acabamento em couro, revestimentos em dois tons, carregador indutivo de smartphone, direção elétrica, ar-condicionado automático, entre outros. Mas, alguns desses sistemas são criticados pelos proprietários.

Em depoimentos na internet, dois itens do Chevrolet Cruze são os mais criticados pelos donos. O principal e que motivou a venda de alguns exemplares por parte de seus proprietários é o sistema de desligamento automático do motor, o Start&Stop. O problema não é o dispositivo em si, mas sua não desativação. Saiba que até uma solução digital foi criada para resolver a questão que a GM não atendeu ainda.

Outro problema citado várias vezes na internet é a qualidade do acabamento, considerado muito fraco pelos proprietários, que apontaram diversos defeitos e problemas. A suspensão dianteira e o banco traseiro são outros dos itens que mais geram reclamações nos donos do Chevrolet Cruze (veja aqui proprietários reclamam de câmbio em Cruze e Spin) de segunda geração.

Chevrolet Cruze – defeitos e problemas

Start&Stop não desliga

O sistema de desligamento automático do motor, popularmente conhecido como Start&Stop, é um item que ajuda a reduzir o consumo de combustível no trânsito urbano. Com o veículo parado e engatado, ele desliga o motor e o religa assim que o pedal do freio é solto.

A tecnologia é usada em motores de alto desempenho ou turbinados, assim como em propulsores mais antigos, que precisam compensar a emissão de CO2. No caso do Cruze, embora seja uma inovação para o modelo, no pós-venda ele se tornou um dos defeitos e problemas mais recorrentes do modelo.

Como não pode ser desligado manualmente, os clientes reclamam que ele desliga em momentos indesejáveis e que incomoda muito no dia a dia ao invés de ajudar. O recurso pode ser desativado em outros carros, mas não no Chevrolet.

Para resolver a questão, até macetes os donos criaram, como passar o câmbio para o modo manual ou desviar a ventilação para o para-brisa, o que força o sistema elétrico e impede o uso do dispositivo. Um dono disse que após o desligamento do motor, o carro não funcionou mais e estava em pleno trânsito. Noutro, o veículo teve que ser rebocado e ficou 4 dias na concessionária.

As reclamações são tão recorrentes que até um aplicativo foi desenvolvido apenas para resolver a questão. Este app (vídeo abaixo) é conectado ao carro por um dispositivo e permite desativar o Start&Stop, assim como melhorar consumo e performance e oferecer aplicações de segurança para o modelo.

Um dono disse que na revenda onde comprou, o vendedor evita ruas de movimento durante o test drive, fazendo assim como que o Start&Stop não ative. Outro diz que o dispositivo desliga o motor em dias quentes e faz com que o ar-condicionado desativado injete ar quente no habitáculo.

Acabamento na mira dos donos

Outro dos defeitos e problemas do Chevrolet Cruze é o acabamento. Os clientes reclamam muito de um carro que custa em média R$ 100 mil. Eles apontam diversos itens que deixam a desejar. Um deles é a pintura. O dono de um Cruze relatou que na porta existia um resto de tinta que escorreu e secou, formando uma bolha.

Em outros casos, a diferença de tonalidade entre para-choques e a carroceria é nítida, o que denota falta de cuidado na confecção das peças de mesma cor do carro. O acabamento também é criticado, especialmente a qualidade dos tapetes e dos revestimentos, inclusive do assoalho, que em alguns casos, saiu com pouco tempo de uso. Um dono diz que o revestimento saiu em dois dias, enquanto outro apontou aos 3.000 km.

Também falam mal do apoio de braço, que não encaixa completamente no assento traseiro. O painel também seria uma fonte de ruído, sendo que um dos donos falou de um ruído de água, que sumiu aos 4.000 km. Vários, porém, reclamam mesmo é do banco traseiro, que faz barulho muito incômodo. Um dos donos disse ter passado vergonha e acabou vendendo o carro após um ano de uso.

Uma infiltração pelo vidro do motorista exigiu a troca da máquina de vidro e outro caso, foi o vidro do passageiro que fazia barulho durante a condução. No caso dos faróis, as lentes embaçadas foram criticadas por outro proprietário. No escape, a proteção do esoltou em dois dias de uso do carro, mas foi reparada pela revenda.

No caso da multimídia MyLink, existem reclamações de travamento e do navegador GPS integrado, que não acha ou não conclui o destino.

Na parte mecânica também reclamam

A suspensão dianteira que bate seco ou que faz barulho é outro dos defeitos e problemas apontados pelos donos de Cruze. Os relatos partem de 3.000 km rodados e muitos reclamam que isso não poderia acontecer com carros tão novos. Alguns resolveram na rede Chevrolet.

Outro ponto que não gostam é o defletor de ar feito em borracha, sob o para-choque dianteiro. Eles dizem que raspa muito e isso procede, pois não só no Cruze, mas também em outros modelos da GM, detectamos a mesma coisa. No caso da direção, um dos donos do modelo diz que sua caixa estava com ruído e precisou ser substituída, mas a troca demorou demais, pois o componente vem da Argentina…

O mesmo dono apontou problemas na suspensão com 3.000 km e falhas não resolvidas no funcionamento do motor aos 4.000 km. Aos 9.000 km, queimou uma das luzes de freio. Vendeu o carro com um ano. Falando em motor, é recorrente a reclamação sobre irregularidades em seu funcionamento e fala-se até na troca de bicos injetores durante a garantia.

Nesse caso, embora talvez não esteja ligado diretamente, alguns reclamam de consumo excessivo com etanol e gasolina na cidade, chegando em médias de 5,6 km/l na cidade com etanol e 7,2 km/l na gasolina. Em contrapartida, não são poucos os que relatam excelente consumo em estrada, especialmente na gasolina, chegando a fazer 17 km/l rodando a 120 km/h.

Os freios fazendo barulho é outra reclamação de donos de Cruze, sendo que no clube de proprietários, fala-se que o ruído vem do limitador de pastilha. Tem relato sobre o ar-condicionado também.

Alguns reclamam de sua capacidade de refrigeração e um deles disse que vazou gás do condensador por causa de outra peça. Ao dar ré, os relatos falam de um ruído metálico semelhante ao abrir e fechar de portas.

Fora os defeitos e problemas acima, os donos de Chevrolet Cruze reclamam da falta de repetidor de direção nos espelhos (solucionado no modelo 2018), saída de ar no banco traseiro e ar-condicionado dual zone. Entretanto, é elogiado pelo estilo e desempenho.

[Fonte: Reclame Aqui/Clube do Cruze]

 

 

 

 

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.