Matérias NA

Embreagem: como funciona? como usar? (7 dicas)

Embreagem: como funciona? como usar? (7 dicas)

Assim como o motor em si, o câmbio é um dos sistemas mais importantes do conjunto mecânico de um automóvel ou de qualquer outro veículo (como motocicletas e caminhões). Neste caso, a embreagem aparece como um componente fundamental para garantir o funcionamento correto do aparato e, falando num modo mais prático, fazer com que você se locomova sem quaisquer complicações.


Em automóveis de passeio comum, a embreagem tem concepção um tanto quanto simples. Normalmente, você pisa na embreagem para que saia da inércia com o veículo, realize frenagens e trocas de marcha, estacione o seu automóvel, entre outros. Entretanto, você sabe realmente o que é uma embreagem, como ela funciona corretamente e quais são os cuidados necessários para garantir o pleno funcionamento do conjunto? Separamos abaixo as principais informações e dicas sobre o assunto. Confira:

O que é e como funciona a embreagem?

Você já deve ter reparado que o motor do seu automóvel funciona constantemente desde o momento da partida até a interrupção do funcionamento do conjunto. Por outro lado, dependendo da situação, as rodas não giram o tempo todo. Sendo assim, para não deixar o motor do carro morrer, o câmbio deve ser desacoplado do propulsor. E é neste caso que aparece a embreagem, um componente posicionado entre o motor e a caixa de câmbio que tem como principal função transmitir a força produzida pela unidade para a caixa de câmbio.


A embreagem é composta por componentes como platô, disco e rolamento, além de cabo ou sistema hidráulico, rolamento e o pedal de embreagem.

A começar pelo platô, ele aparece como o componente fundamental para fazer com que a saída da inércia seja realizada de maneira suave. Ele é formado pela carcaça da embreagem, placa de pressão e mola membrana, e está conectado diretamente ao volante do motor. Ao acionar o pedal de embreagem, alivia-se o volante sobre o disco, provocando o desacoplamento do motor ao câmbio. Já ao soltar o pedal, o platô pressiona o disco de embreagem contra o volante do motor, fechando o mecanismo e garantindo a suavidade na saída da inércia do veículo.

Já o disco de embreagem é fixado sobre o eixo piloto da transmissão e responsável por interligar o motor, o câmbio e o platô. Ele é dotado de “estrias” para garantir o atrito entre os componentes. Por fim, o rolamento pressiona o centro da mola membrana, fazendo com que haja o afastamento das placas de pressão do disco de embreagem e interrompendo o envio da rotação do motor para a caixa de câmbio.

Embreagem: como funciona? como usar? (7 dicas)

Como usar a embreagem corretamente?

Há uma série de dicas que você pode aplicar na condução do seu automóvel. A primeira delas, para evitar o desgaste prematuro do disco de embreagem, é soltar o pedal da embreagem suavemente após engatar a primeira marcha – em média a partir de uma rotação de cerca de 2 mil rpm. Com isso, o carro começa a andar e, assim, o sistema não ficará sobrecarregado a ponto de prejudicar o funcionamento de alguns componentes, como o próprio disco.

Além disso, você deve utilizar a embreagem somente em situações necessárias, como para as passagens de marcha.

Ou seja, nada de parar num sinal e ficar “segurando” o seu carro na primeira marcha com o pé fincado no pedal de embreagem. Neste caso, o recomendado é colocar o câmbio na posição neutro e engatar a primeira marcha somente após o sinal verde.

É preciso ainda dispensar aquele hábito de “descansar” o pé sob o pedal de embreagem. Essas práticas costumam provocar o aquecimento excessivo do sistema e também o desgaste prematuro das peças.

Outra dica é não utilizar a embreagem como freio numa rampa, por exemplo, que também causa o desgaste excessivo do disco de embreagem. Para tal, utilize somente o freio do carro.

Fora isso, jamais arranque com o câmbio em segunda ou terceira marcha. Utilize somente a primeira marcha e empregue as demais de acordo com a velocidade e também a rotação do motor.

Você já deve ter ouvido o termo “embreagem queimada”. Isso acontece quando o motorista promove uma aceleração forte e não solta o pedal de embreagem o suficiente. Esta prática faz com que haja desgaste maior nos componentes da embreagem e também um aumento do consumo de combustível. Sendo assim, faça uma sincronização correta do pedal de embreagem com o pedal do acelerador.

Quando devo trocar a embreagem do meu carro?

Normalmente, o sistema de embreagem de um automóvel dura em média 40 mil a 60 mil quilômetros. Entretanto, este intervalo pode variar para mais ou para menos dependendo do estilo de condução do motorista. É provável que a embreagem tenha uma duração menor que o previsto. Neste caso, ela provavelmente apresentará alguns sinais. Entre eles, uma vibração ao tirar o pé da embreagem; pedal da embreagem muito baixo ou muito alto; pedal da embreagem duro e pesado; ruído ao pisar no pedal da embreagem; dificuldade para realizar as trocas de marcha; e embreagem “patinando” ao tirar completamente o pé do pedal, provocando a perda de força de transmissão.

Caso o seu veículo apresente alguns desses “sintomas”, o mais recomendado é encaminha-lo a uma oficina especializada. Lá, o mecânico irá fazer a substituição do sistema de embreagem, provavelmente por completo.

Embreagem: como funciona? como usar? (7 dicas)

Como funciona a embreagem de um carro automático ou automatizado?

Ao contrário da caixa manual, a transmissão automática é dotada de um sistema hidráulico, com conversor de torque e engrenagens planetárias que promovem a troca de marchas sem interromper o envio de potência e torque do motor. O conversor de torque é o responsável por transferir a força do motor para a transmissão. As engrenagens planetárias têm tamanhos diferentes e estão sempre engatadas entre si, sendo que a relação de força varia de acordo com a ordem com que essas engrenagens estão conectadas.

Já no caso de um câmbio automatizado, ele utiliza praticamente a mesma concepção de um manual. Entretanto, ao invés do pedal de embreagem, há um sistema auxiliar para desacoplar o motor da transmissão e outro para promover as trocas de marcha. Este sistema pode ser eletrohidráulico (como é o caso do GSR e Dualogic da Fiat, produzidos pela Magneti Marelli) e o 100% eletrônico (neste caso, o Easy-R da Renault e o i-Motion da VW, fabricados pela ZF Sachs). Neste último caso, há três motores elétricos de corrente continua para acionar a embreagem, selecionar as marchas e engata-las.

Embreagem: como funciona? como usar? (7 dicas)
Nota média 5 de 2 votos

14 Comentários

Clique aqui para postar um comentário

  • A embreagem do meu 206 durou 160 mil km, e acho que durava até mais, nem estava escorregando nada, mas aproveitei que o carro parou no mecânico para resolver alguns vazamentos de óleo, e já troquei.

      • Minha mulher também “não sabe” dirigir. Tem vários “vícios” na direção que acaba o carro consumindo mais combustível e freio. Só não gasta embreagem porque ela só sabe dirigir AT… Quanto tento dar umas dicas de direção mais eficiente, fica brava. Então eu nem falo mais heheheh

  • Acho engraçado essas baixas durabilidades que dão para as peças de hoje em dia, para mim isso é desculpa das montadoras para se escaparem da garantia. Uma boa embreagem e com bom uso dura fácil 150 a 200 mil km, 40 a 60 mil é só se for uma embreagem de muita má qualidade ou muiiiito mal uso.

  • A matéria diz que não se pode “arrancar” de segunda ou terceira.

    Se não me engano, é recomendado mover o veículo de sua inércia a partir da segunda marcha quando o terreno oferecer pouquíssima aderência, nos casos de pisos muito acetinados, molhados e superfícies com gelo, pois a primeira marcha provocaria a patinação das rodas.

      • Luis, se não me engano, o acionamento da embreagem foi adotado nos veículos a partir de 2010 (acredito eu), justamente para evitar o acionamento acidental do veículo por meio de “tranco”.

        Mas nos carros antigos, especialmente no meu Fiesta 97/97 (motor Endura), lembro-me de ter lido o manual e não especificar a necessidade do uso da embreagem durante a partida, mesmo durante o ponto morto.

        Dessa forma, penso que o acionamento da embreagem é mais por medida de segurança do que preservação dos componentes.

  • Só a pouco tempo fui entender o funcionamento dela,fazia tempo q eu lia a respeito.
    É q eu pensava q era o contrário, toda a parte de atrito era pra freiar e desacoplar,nunca tinha percebido q é o câmbio q recebe o movimento por atrito e a embreagem só desacopla puxando os discos em contato.

  • A embreagem do meu polo durou 160 mil km até que começou a patinar muito (questão de dias ela foi pro saco) e eu troquei por uma nova. O estranho é que a nova da uma leve vibração (rodei menos de 400km com ela).

  • é interessante frisar que, apesar da embreagem efetuar o desacoplamento entre motor e câmbio, este fica eternamente conectado às rodas… ou seja, práticas como engatar a 1a com o carro ainda em movimento ou efetuar reduções de marcha incorretas, mesmo que sem aliviar a embreagem, provocam fortes trancos internos na caixa, que podem causar danos

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email