Fiat Argo Drive 1.0: Impressões ao dirigir

Fiat Argo Drive 1.0: Impressões ao dirigir

O Fiat Argo foi lançado oficialmente, mas na época da apresentação, faltava uma versão, a Drive com motor Firefly 1.0 Flex. Agora, a marca italiana fez uma apresentação individual da opção de entrada do novo compacto brasileiro. Custando a partir de R$ 46.800, essa versão de acesso terá um mix de 35% das vendas do hatch.


A Fiat realizou uma pesquisa que apontou que 40% dos clientes de carros 1.0 querem consumo baixo e utilizam o veículo e 70% do tempo na cidade. No entanto, os mesmos registram mais reclamações quanto ao consumo e a baixa potência. No desenvolvimento do Argo, a montadora traçou como meta ter um compacto que tivesse performance melhor que o HB20 e mais econômico que o Onix.

Fiat Argo Drive 1.0: Impressões ao dirigir

A marca ataca com garantia estendida de R$ 1.070 para um ano adicional ou R$ 1.770 para dois anos extras, além dos três de fábrica. A Fiat fez uma comparação com o Onix 1.0 e obtém redução de custos de 14% e 19%, respectivamente. Nas três primeiras revisões, o Argo Drive 1.0 tem custo de R$ 1.044 contra R$ 1.284 do Onix e R$ 1.147 do HB20, ambos igualmente 1.0.

Até agora, de acordo com a Fiat, o Argo já faturou 4.500 unidades, sendo que 1.500 foram vendidas. Segundo a empresa, no caso da opção Drive 1.0, os clientes têm preferência pela multimídia com Android Auto e Car Play, atingindo 80% dos pedidos. Já com rádio Connect ou sem nenhum dispositivo de mídia, o hatch 1.0 teve somente 20% das encomendas.

Fiat Argo Drive 1.0: Impressões ao dirigir

Com essa multimídia, o Fiat Argo, que possui ainda duas entradas USB, auxiliar e conexão Bluetooth, o Drive 1.0 custa R$ 1.990 a mais, alcançando R$ 48.790. Completo, o que inclui sensores de estacionamento, câmera de ré e vidros traseiros e retrovisores elétricos, o modelo alcança R$ 51.190. A versão Drive com motor 1.3 começa em R$ 53.900.

Para o Argo Drive 1.0,  a Fiat ainda disponibiliza de fábrica ar-condicionado, direção elétrica, vidros dianteiros e travas elétricos, Start&Stop, Isofix, cintos e apoios de cabeça completos na traseira, rodas de aço aro 14 com calotas e computador de bordo. Com 72/77 cv a 6.250 rpm e 10,4/10,9 kgfm a 3.250 rpm, respectivamente com gasolina e etanol, o compacto tem consumos de 9,9/10,7 km/litro com etanol e 14,2/15,1 km/litro com gasolina, respectivamente cidade e estrada.

Fiat Argo Drive 1.0: Impressões ao dirigir

Impressões ao dirigir

O Fiat Argo Drive 1.0 tem o mesmo visual da versão 1.3, só que não dispõe e alguns itens exteriores, tais como faróis de neblina e rodas de liga leve aro 15 polegadas, equipamentos que nem são oferecidos como opcionais para a opção de entrada. Por dentro, porém, o ambiente é o mesmo do 1.3 e vem com painel decorado com aplique central cinza, além de textura diferenciada na parte superior.

O conjunto frontal e as portas são pretos, assim como o tecido dos assentos. Teto e colunas são em bege. O quadro de instrumentos com computador de bordo tem boa visualização e o volante possui comandos para o display, além de telefonia e comando de voz. A coluna é ajustável em altura.

Fiat Argo Drive 1.0: Impressões ao dirigir

Com a multimídia Uconnect de 7 polegadas com Android Auto e Car Play, o Fiat Argo (veja aqui Argo – defeitos e problemas) Drive 1.0 tem ainda duas entradas USB, uma para os passageiros traseiros. O pacote de equipamentos é bom, incluindo os de segurança. A posição de dirigir é correta e a alavanca tem curso longo e muito macio, mas passa certa imprecisão. O pedal da embreagem é adequado. Todos os principais comandos estão à mão. Os vidros one touch para subir e descer também ajudam. Da mesma forma, o retrovisor direito com tilt down.

Ao girar a chave-canivete, nada de trepidação excessiva. O motor de três cilindros e 6V Firefly 1.0 é bem calçados em grandes coxins, que filtram bem o trabalho irregular do propulsor. Nas saídas, há certo ânimo até a segunda marcha, onde é possível destracionar os pneus devido à força em baixa. Mas, logo o motor fica mais manso e é necessário explorar mais o câmbio e o pé. A faixa de trabalho pede uma rotação entre 2.500 e 3.000 rpm, onde mais de 80% de torque estão disponíveis, mas a partir de 2.000 rpm no plano já dá para manter um ritmo razoável.

Fiat Argo Drive 1.0: Impressões ao dirigir

Nas retomadas, o giro para acima de 3.000 rpm, necessitando evidentemente de redução para ganhar o embalo necessário. Como a proposta é urbana, em sua essência, o test drive foi realizado na capital paulista, onde conseguimos alcançar 90 km/h em quinta marcha, onde o ponteiro marca 3.000 rpm. Não há milagre. Mesmo com tudo a partir de 3.250 rpm, o peso e o tamanho do carro contribuem para que o Firefly 1.0 tenha mesmo que reclamar algumas vezes. Ainda assim, a disposição no geral é boa.

No mais, a direção elétrica do Fiat Argo Drive 1.0 passa uma boa sensação de controle e segurança, enquanto o conjunto de suspensão se mostrou adequado à buraqueira e outras características ruins do asfalto urbano da metrópole. Nas curvas, o compacto se mantém em boa forma, não necessitando de correções em saídas.

Fiat Argo Drive 1.0: Impressões ao dirigir

O ajuste da suspensão é naturalmente mais macio, porém, a estabilidade continua adequada. Em uma condução mais esportiva, o Firefly 1.0 facilmente chega a 5.000 rpm, mas sem vibrações incômodas ou falta de fôlego. Os freios se mostraram igualmente aptos para uma vida urbana. As trocas de marcha ocorrem em relações bem equilibradas e dá ao Argo Drive 1.0 certa liberdade para ver até onde vai o pequeno três cilindros. No geral, o novo compacto da Fiat atende bem na categoria 1.0 e deverá dar muito trabalho para a concorrência.

Fiat Argo Drive 1.0 – Galeria de fotos

Leia avaliações, notícias sobre carros e compare modelos em NoticiasAutomotivas.com.br.
Evento a convite da Fiat. 

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.