Mitsubishi Eclipse Cross – Reclamações e Defeitos

Eclipse 001

Os SUVs da Mitsubishi, historicamente, são extremamente robustos e com pegada off-road, mas o Eclipse Cross não foi concebido para este tipo de uso, apesar de se virar bem na versão AWD.

Ele é um SUV mais urbano, e será que ele herdou a robustez de seus antecessores? Se você está pensando em comprar um, ou está apenas curioso, nesse texto listamos os principais problemas e reclamações dos proprietários.

Lançado em 2018 no Brasil o Eclipse Cross foi um dos SUVs mais completos do mercado na sua faixa de preço, tem talvez o design mais arrojado e diferente entre seus concorrentes, com motor 1.5 turbo de 165cv e 25,5 kgfm de torque aliado ao câmbio CVT que simula 8 velocidades, rende aceleração de 0 a 100 km/h em cerca de 11s e velocidade máxima de 195 km/h.

Conta com faróis de LED e DRL, rodas 18”, suspensão traseira independente, multimídia de 7” com Android Auto e Apple CarPlay, 9 airbags, ar-condicionado digital dual zone, versões 4×4 e 4×2 e teto solar panorâmico. Mas enfim, vamos ao que interessa, abaixo listamos os principais defeitos e pontos levantados pelos proprietários:

Nome não faz jus ao desempenho

O Mitsubishi Eclipse original foi um esportivo da marca que deixou um legado e uma legião de fãs pelo seu design arrojado e desempenho espetacular pela época, ficando no imaginário popular dos fãs da franquia Velozes e Furiosos, não é mesmo?

Então, ao batizar o SUV com o nome Eclipse, o mínimo que se esperava é que ele tivesse um alto desempenho, mas o motor 1.5 turbo sofre para levar esses 1.600 kg de 0 a 100 km/h em 11s e a velocidade máxima de 195 km/h. Esses números não são lá muito empolgantes.

Só roda na gasolina

O carro não é Flex, por isso tenha em mente que ele só roda na gasolina, diferente de boa parte dos carros do mercado.

Atenção ao acabamento plástico

Eclipse 002

Os plásticos do interior acabam manchando com o tempo, os acabamentos em black piano merecem atenção especial pois apresentam algumas manchas irreversíveis em algumas unidades.

Consumo não é tão bom

O carro é tecnológico, com motor 1.5 turbo e câmbio CVT, receita para um carro econômico, certo? Nem tanto… As médias relatadas são de menos de 11 km/l na rodovia e 8 km/l na cidade, rodando na gasolina não é um consumo exemplar.

Preço

O carro é bom, porém existem outros carros bons no mercado que custam igual ou até menos, dependendo do perfil do comprador, vale a pena pesquisar no mercado as demais opções como Jeep Compass, VW Taos e Corolla Cross, cada um com seus prós e contras e, caso queira desempenho, pode procurar por exemplo por uma Tiguan mais antiga ou até uma BMW X1.

Interior poderia ser melhor

As peças plásticas são bonitas e apresentam soft-touch em alguns pontos, porém ainda é perceptiel a aplicação de plásticos rígidos em determinados pontos, que acabam gerando ruídos na rodagem, mesmo não sendo exagerado, pelo preço do carro poderia ser melhor.

Conclusão

Eclipse 003

A Mitsubishi acertou em trazer o Eclipse Cross para o Brasil, visto que as SUVs da marca precisavam de uma repaginada.

Talvez a decisão mais duvidosa da marca foi no nome, que inevitavelmente gera comparações com o clássico da montadora japonesa.

Mesmo os carros tendo propostas totalmente distintas, o motor 1.5 funciona bem e entrega o básico, nada além disso deixando a desejar em alta velocidade e ultrapassagens, mas de qualquer forma o carro tem um ótimo comportamento dinâmico para uma SUV.

É uma boa escolha de SUV para quem busca um carro confiável, com design diferenciado e que quer fugir um pouco dos padrões do mercado, não tem o melhor desempenho nem o melhor valor de revenda dentre os rivais, mas compensa com opcionais justos.

 

google news2 Quer receber todas as nossas notícias em tempo real?
Acesse nossos exclusivos: Canal do Whatsapp e Canal do Telegram!

O que você achou disso?

Toque nas estrelas!

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.


Últimas Notícias



c12OrqyAeQ65CANuSaRgcOXX3cvWvBvO3VrU zKQNKMIjAIN28coKUHnlTgz76QZ90
Autor: Luca Magnani

Engenheiro mecânico na indústria automotiva, pós graduado pela Universidade da Indústria do Paraná em Engenharia de veículos elétricos e híbridos.