Citroën DS3: consumo, preço, ficha técnica, motor e equipamentos

Citroën DS3: consumo, preço, ficha técnica, motor e equipamentos

O Citroën DS3 foi um hatch compacto de estilo cupê que foi vendido entre 2012 e 2017 no mercado brasileiro através da antiga PSA. Ele teve a curiosa situação de mudar de marca durante seu período no Brasil, mas sempre atrelado ao duplo chevron de forma comercial por aqui. Ele era uma resposta ao Fiat 500 e MINI Cooper.


O DS3 virou DS 3, mas basicamente era o mesmo carro. De personalidade, apesar de ser derivado do C3, era um hot hatch capaz, que trouxe diversão para quem apostou seu dinheiro nele. Importado da França, o esportivo chegou com motor potente e com o purismo da transmissão manual.

Inaugurando uma submarca premium da Citroën, o DS3 e seus irmãos Citroën DS4 e Citroën DS5 elevaram o patamar de luxo da marca parisiense, mas ela acabou tomando seu próprio curso e hoje é uma bandeira separada. O DS 3 era fabricado sobre a plataforma PF1, a mesma do Citroën C3 e do Citroën Aircross.

O compacto tinha uma identidade visual bem distinta de outros produtos da Citroën, mas compartilhava muitos elementos com os carros vendidos aqui, mesmo sendo importado. Um deles, por exemplo, era o ar-condicionado digital similar ao de C3 e Aircross.

Com faróis grandes e expressivos, o DS3 chamava atenção ainda pelo teto de cor contrastante, assim como colunas B imitando barbatana. Sem queda de teto na traseira, o hatch francês não escondia ser um hatch duas portas, mas trazia também lanternas que ganhariam layout em 3D e escape cromado.

Citroën DS3 – detalhes e equipamentos

Citroën DS3: consumo, preço, ficha técnica, motor e equipamentos

Até as rodas de liga leve aro 17 polegadas tinha o cubo personalizado na cor do carro. O foco na customização foi um diferencial para o DS 3 em sua versão única e depois na Sport Chic. Os retrovisores também acompanhavam as tendências que os clientes criavam, exibindo-as nas ruas.

Por dentro, um volante vistoso e cluster com mostradores analógicos destacados, ajudava, mas o sistema de áudio ficava devendo. O acabamento geral era muito bom e o espaço era voltado para quatro pessoas, tendo 280 litros no bagageiro. Contudo, a proposta era individualista.

Focado num consumidor jovem e de bom poder aquisitivo, o Citroën DS3 vinha com motor 1.6 THP de 165 cavalos e 24,5 kgfm, suficiente para ele ir de 0 a 100 km/h em 7,3 segundos e com máxima de 219 km/h. Apesar de esportivo, era um carro até bem econômico.

O DS 3 fazia mais de 11 km/l na cidade e acima de 14 km/l na estrada, visto que seu câmbio tem relações longas, que se aproveita do bom torque do motor, a partir de 1.400 rpm. Com 3,948 m de comprimento, 1,715 m de largura, 1,483 m de altura e 2,464 m de entre-eixos, o hatch era realmente um carro pequeno.

Sua suspensão era firme com McPherson na frente e eixo de torção atrás. Bem rígido, tem uma excelente dirigibilidade, tendo discos de freio nas quatro rodas, além de controles de tração e estabilidade, bem como seis airbags. Direção elétrica, bancos esportivos, pedais de freio de alumínio, entre outros, não eram estranhos.

Citroën DS3: consumo, preço, ficha técnica, motor e equipamentos

No mercado de usados, se tornou uma opção desejável, porém, arriscada para quem não conhece o carro, dado o grau de conservação que possa estar sendo ocultado na hora de vender. O hatch estiloso foi acompanhado do hatch médio DS4 e do cupê quatro portas DS5.

O Citroën DS3 tinha uma carroceria de hatchback com duas portas. A frente era dotada de faróis duplos similares aos do C3, tendo dupla parábola e repetidores de direção, além de lanternas. Não havia grade, mas o logotipo estilizado da DS a partir de 2015 ou apenas a grade com o duplo chevron cromado.

Essa grade tem uma parte inferior com grelha dotada de elementos hexagonais, bem como suporte para placa. O entorno da mesma era cromado e nas laterais, os faróis de neblina circulares apresentam também molduras brilhantes. Nas extremidades, a Citroën aditou um conjunto vertical de LED com seis luzes em cada um, sendo os DRL’s.

Dependendo da personalização, os retrovisores arredondados e apoiados nas portas, tinham acabamento cromado, fosco, na cor da carroceria ou em tom contrastante. Não havia teto solar elétrico e a cor do teto variava conforme o pacote de personalização escolhido e havia vários.

As rodas de liga leve aro 17 polegadas com raios bifurcados, podia ter cores e acabamentos diferentes, mudando-se até o cubo. Os retrovisores, acompanhados das maçanetas e frisos laterais, podia ter até um tom metalizado, como se fossem feitos de alumínio polido.

Citroën DS3: consumo, preço, ficha técnica, motor e equipamentos

As portas tinham um bom tamanho e vinham com quebra-vento falso, enquanto as vigias laterais alcançavam parte das colunas B, com boa parte da mesma na cor do carro e numa extensão da lataria. Na traseira, havia um defletor de ar incorporado ao desenho do teto, mas estando na tampa do bagageiro.

Junto à vigia traseira, havia um limpador que podia ser em cinza grafite, tendo ainda lanternas quadradas, com efeito 3D e a superfície lisa da tampa, que inicialmente tinha o nome Citroën e depois assumiu o logotipo da DS, com o 3 deslocado para o lado direito.

O para-choque era igualmente liso e tem um discreto difusor de ar, mas o escape era duplo e cromado. O DS3 calçava pneus 205/45 R17, garantindo estabilidade e conforto ao dirigir. Por dentro, o hatch esportivo tinha um painel diferente do C3 e com instrumentação similar ao do C4 Lounge e DS4, por exemplo.

Estranhamente seu cluster apresenta um velocímetro com máxima de 210 km/h, sendo que o próprio passava dessa marca. No mesmo instrumento, outra coisa incomum era o medidor de temperatura da água e de cabeça para baixo, com o ponteiro lembrando um lápis.

O conta-giros ficava no lado esquerdo, enquanto um display digital ocupava o terceiro mostrador, com nível de combustível e hodômetros. Próximo, ficava o refil de fragrância. Ao centro, um display digital de cor laranja agregava o computador de bordo.

Citroën DS3: consumo, preço, ficha técnica, motor e equipamentos

 

A parte superior central do painel podia ter a cor da carroceria, imitação de fibra de carbono ou uma textura diferenciada de acordo com o pacote de personalização. O ar-condicionado digital era o mesmo do C3 e o sistema de som era simples, do tipo 1din e lembrava modelos mais antigos e até alguns Renault “franceses”.

Tem CD player e MP3, assim como Bluetooth, mas as entradas USB e auxiliar ficavam junto da fonte 12V entre os bancos. O painel tinha a parte superior emborrachada, assim como nas portas. O teto e colunas pretas vinham com para-sois com espelhos iluminados e também com retrovisor eletrocrômico.

Com alavanca de câmbio estilizada conforme a customização de fábrica, tem formato arredondado e coifa em couro. O volante tem acabamento metalizado e o logotipo da DS, sendo revestido em couro. Possuindo ajuste em altura e profundidade, vinha ainda com hastes para piloto automático e limitador de velocidade.

Do outro lado, os comandos de mídia e telefonia. Na mesma coluna, igualmente estranha era a posição do ajuste de altura dos faróis, que geralmente vão ao painel. O porta-luvas do DS 3 era grande, como do C3, com iluminação e resfriamento. Os difusores de ar eram um tanto simples.

As portas tinham acabamento superior emborrachado e couro na parte central, com botões dos vidros elétricos (one touch apenas para o motorista) e ajuste dos espelhos retrovisores externos, que podiam ser rebatidos eletricamente também.

O DS3 apresentava ainda sensor de chuva e crepuscular para ampliar a segurança.

Citroën DS3: consumo, preço, ficha técnica, motor e equipamentos

As maçanetas eram cromadas e envolvidas por acabamento em preto brilhante. O desligamento do controle de estabilidade ficava na parte inferior do painel. Toda a parte central tinha acabamento em preto brilhante, independente da configuração escolhida.

Os bancos esportivos eram em couro e bem envolventes, tendo ajuste de altura para o motorista, além de apoio de braço central retrátil com freio de estacionamento logo abaixo. Os cintos de segurança dianteiros não contavam com ajustes em altura, mas havia pré-tensionadores.

Com dois airbags frontais, dois laterais e dois de cortina, o Citroën DS3 era um carro bem seguro e completo, tendo ainda rebatimento dos bancos dianteiros com efeito memória. Atrás, o espaço para as pernas era pequeno e o banco traseiro era bipartido e tinha três apoios de cabeça e cintos de 3 pontos.

O habitáculo traseiro tinha ainda alças na altura das vigias para facilitar a saída do carro. No teto escuro, as luzes de neblina e geral ficavam no meio do carro. Já o porta-malas tinha 280 litros e iluminação, além de cobertura móvel para o compartimento.

Citroën DS3 – versões

Citroën DS3: consumo, preço, ficha técnica, motor e equipamentos

O Citroën DS3 chegou ao mercado em 2012 em versão única e sem identificação, bem completa, destacando externamente luzes diurnas em LED, faróis de neblina, rodas aro 17 polegadas com cinco raios bifurcados, pneus 205/45 R17, detalhes externos cromados, teto preto ou contrastante, lanternas 3D e escape duplo cromado.

Por dentro, volante com detalhes cromados, computador de bordo central, rádio 1din com CD/Bluetooth/USB/auxiliar, sistema de som com quatro alto-falantes e quatro tweeters, piloto automático e limitador de velocidade, sensor de chuva e crepuscular, bancos em couro, apoio de braço central e alarme.

Tinha ainda ar-condicionado digital, direção elétrica, trio elétrico completo, retrovisores com basculamento elétrico, retrovisor interno eletrocrômico, para-sois com espelhos iluminados, luzes de leitura, porta-luvas refrigerado, entre outros.

Em 2015, a DS virou marca e o DS3 passou a ser DS 3, com o “3” sendo o modelo da DS. Na atualização visual, ele adotou faróis triplos de LED com facho alto em projetor, além de assinatura em LED, mas mantendo o formato original das lentes do C3/DS3.

As luzes de iluminação diurnas, nas extremidades, ganharam formato quadrado e continuaram a ser seis de cada lado. As rodas de liga leve aro 17 polegadas ganham desenho mais fluido e as lanternas passaram a ter lentes cromadas e iluminação em LED.

Por dentro, o acabamento não mudou, com os bancos dianteiros a continuar aquecidos e os pedais igualmente mantidos em alumínio, inclusive com o apoio de pé. Apenas o cluster ganhou grafismos e iluminação diferenciada, num tom âmbar muito bom.

Citroën DS3 – motor e transmissão

Citroën DS3: consumo, preço, ficha técnica, motor e equipamentos

O Citroën DS3 tinha o motor EP6 da família Prince, desenvolvida em parceria com a BMW. A antiga PSA manteve o desenvolvimento desse motor, enquanto a BMW o substituiu pelo B38. Sucessor do TU, assim como os EB, o EP tem somente versão 1.6 litro na empresa francesa, hoje na Stellantis.

O EP6 foi o único a ser vendido no Brasil e continua assim até hoje. Com bloco e cabeçote de alumínio, o propusor tem duplo comando com variação na admissão e turbocompressor com intercooler. A injeção direta é de alta pressão, o que garante melhor queima.

Com 1.598 cm³, o EP6, popularmente conhecido como 1.6 THP, tem 165 cavalos a 6.000 rpm e 24,5 kgfm a 1.400 rpm, não diferindo do Peugeot 3008 GT 2022, por exemplo. O mesmo motor foi usado anteriormente na primeira geração do 3008 por aqui, ou seja, há 10 anos.

Junto dele, uma transmissão manual de seis marchas com engates rápidos, suaves e precisos, contendo embreagem de acionamento hidráulico. O DS 3 nunca foi vendido aqui com a caixa automática de seis marchas. Em sua época, a Citroën não integrava a Aisin com o EP6 na PF1.

Citroën DS3 – desempenho e consumo

Citroën DS3: consumo, preço, ficha técnica, motor e equipamentos

No Citroën DS3, o desempenho era excelente, tendo um peso de 1.165 kg, o hot hatch ia de 0 a 100 km/h em apenas 7,3 segundos, o que era muito bom para seu porte e peso, mas isso vinha do motor 1.6 THP de 165 cavalos. Isso era melhor que o Peugeot 208 GT com o 1.6 THP Flex, que ia até 173 cavalos e fazia o mesmo em 7,6 segundos.

Já no consumo, o Citroën DS3 fazia 10,9 km/l na cidade e 14,2 km/l na estrada, graças ao câmbio manual de seis marchas, que era longo e permitia manter a sexta em cruzeiro, baixando o giro na estrada. Na cidade, a força do propulsor, com torque abundante em baixa, ajudava a poupar gasolina.

Em 2018, na Europa, surgiu o DS 3 Crossback, que sucedeu o hatch esportivo num formato de crossover estiloso, mantendo as colunas B destacadas, maçanetas retráteis, faróis hexagonais e triangulares, lanternas em LED, painel com elementos em losangos, couro acolchoado no painel, portas e bancos e difusores de ar nas portas.

O DS 3 Crossback tem ainda cluster digital, multimídia com tela de 10 polegaads e túnel com botões em estilo aeronáutico, além de alavanca elétrica e HUD. Feito sobre a plataforma modular CMF, tem motores Purecteh 1.2 de 102, 133 ou 157 cavalos, além de diesel 1.5 com 103 cavalos e elétrico com 136 cavalos, mais 26,5 kgfm e bateria de 50 kWh.

Citroën DS3 – fotos

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.