Ford Manutenção Matérias NA Sedãs

Ford Fusion – defeitos e problemas

Ford Fusion - defeitos e problemas

De grande sucesso no Brasil, o Ford Fusion se destaca pelo conforto, desempenho e tecnologia embarcada, sendo um sedã executivo com mais de 12 anos de história no mercado brasileiro, sempre importado do México.


O Ford Fusion chegou em 2006 para substituir o Mondeo, importado da Europa, com preço competitivo por conta do acordo com o México,.

Ele vinha com motor 2.3 de 162 cavalos e câmbio automático de cinco marchas, sendo atualização em 2010 com o motor 2.5 de 173 cavalos e o V6 3.0 de 243 cavalos.

Este Fusion atualizado estreou aqui a versão Hybrid, que tinha motor 2.5 Atkinson de 156 cavalos e mais um elétrico, sendo o primeiro híbrido vendido no Brasil.


Depois chegou a segunda geração, trazendo o motor 2.5 Flex de até 175 cavalos, além do 2.0 EcoBoost com 248 cavalos.

Isso sem contar o Hybrid, que passou a ter motor 2.0 Atkinson de 143 cavalos, mas com 190 cavalos de potência combinada.

Entretanto, mesmos com tudo isso e muito mais, alguns donos de Ford Fusion reclamam de defeitos e problemas nas duas gerações, sendo que os maiores se concentram na primeira.

No entanto, ambas apresentam um defeito grave no câmbio automático. Suspensão com problemas em buchas, coxins pivôs são mais recorrentes no primeiro Ford Fusion, assim como no sistema de direção e homocinéticas.

No caso do modelo, muitos dos problemas foram resolvidos.

Ford Fusion – defeitos e problemas

Ford Fusion - defeitos e problemas

O Ford Fusion é um sedã de porte grande que atraiu muita gente desde 2006 e em duas gerações, chegou mesmo a custar e vender o mesmo que alguns sedãs médios.

Mas, os defeitos e problemas da primeira geração assustam, assim como o número de recalls do modelo nas duas gerações, um total de 11!

Câmbio com trancos

Ford Fusion - defeitos e problemas

Uma das maiores reclamações do Ford Fusion, tanto da primeira quanto da segunda geração, é o câmbio automático com trancos em engatar as marchas.

São inúmeros relatos de defeitos e problemas, alguns custando verdadeiras bagatelas para seus donos, muitos já fora de garantia.

Num dos relatos, ao levar um Ford Fusion 2013 da versão Titanium AWD, que tem motor 2.0 EcoBoost, o proprietário já fora da cobertura, teve um orçamento de R$ 20.000 dado pela concessionária.

Outro revelou que o carro estava com tranco, gastando muito e sem desempenho, além de ter um vazamento de óleo. Na oficina da revenda, detectou-se alteração da cor do fluído e limalha.

A troca normalmente é feita a cada 120.000 km. Nesse caso, o serviço com mão de obriga ficou em R$ 4.800.

Na internet, a maioria dos relatos de defeitos e problemas no câmbio automático do Ford Fusion são relacionados com a versão V6 3.0, inclusive com a quebra da transmissão, mas unidades 2.3 também apresentaram o problema.

Na geração atual, a versão Titanium AWD é a que mais queixas possui sobre o mesmo problema.

Existem diversas reclamações registradas na internet, centrando-se a maioria na transmissão automática de seis marchas com esse propulsor 2.0 EcoBoost.

Um dos casos ocorreu com apenas 10.000 km. Outro relato diz que o carro ficou dias esperando por uma peça que não havia previsão de chegada.

O problema estaria no desgaste do solenoide de pressão do fluído interno, que acaba prejudicando a lubrificação das engrenagens e sincronizadores.

Algumas caixas foram substituídas durante a garantia de três anos do modelo, mas com certa demora no atendimento, devido a fabricação do componente. Outros precisaram somente da troca do solenoide.

Direção com problemas

Ford Fusion - defeitos e problemas

O Ford Fusion antigo também enfrenta problemas de direção. Em muitos casos, a caixa apresenta com ruídos e chega a travar.

O serviço fora da garantia é caro e dentro da rede Ford, um cliente disse que pagou R$ 6 mil em um novo sistema de direção para seu sedã.

Não são poucas as queixas sobre a não durabilidade do sistema e alguns proprietários com mais de 100 mil chegam enumerar a quantidade de trocas dessa caixa, chegando a um ter feito isso três vezes.

O segundo recall do Ford Fusion no Brasil, ocorreu em janeiro de 2014 e compreendeu a troca da caixa de direção dos carros feitos entre 19 e 23 de abril de 2013.

Deve-se lembrar que esse ano/modelo já é o da segunda geração do Ford Fusion. No entanto, quase todos os relatos encontrados na internet falam da primeira geração.

Outro recall ocorreu para o sedã de luxo, agora sim para o da primeira geração (facelift) feito entre 2010 e 2012, sendo procedido a atualização do software da direção elétrica ou substituição da mesma.

O recall só ocorreu em julho de 2015.

Suspensão

Ford Fusion - defeitos e problemas

Entre os proprietários do Ford Fusion, é unanime que o sedã executivo é baixo demais para nossas lombadas e valetas.

Os relatos de raspadas na frente e no meio são frequentes, mas a durabilidade do conjunto de balanças, molas e amortecedores é questionada por muita gente, especialmente em carros após 100.000 km.

Nesse caso, assim como no caso da direção, os relatos falam não em uma, mas de duas a três trocas de buchas, pivôs e coxins, especialmente do câmbio.

Os braços oscilantes entram na conta, pois, precisam ser trocados igualmente com as buchas. No entanto, a exigência de troca desses componentes já começa, segundo relatos, após 60.000 km.

Além disso, alguns reclamam de ruídos e defeitos nas homocinéticas, obrigando a troca das mesmas.

Um cliente com 120 mil km em seu Ford Fusion disse ter trocado pelo menos duas vezes esse conjunto articulado, que provê tração ao carro.

Outros defeitos e problemas

Ford Fusion - defeitos e problemas

Alguns donos de Ford Fusion se queixam também do corpo da borboleta da admissão de ar para o sistema de injeção, que apresenta problemas e precisa ser trocado.

Num Fusion 2010, o custo de substituição com a mão de obra da concessionária foi de R$ 1.200. Outros reclamam o mesmo problema, mas não relataram o custo.

Outros ficam de cara feia em relação às maçanetas internas, que quebraram com facilidade, obrigando uma visita ao revendedor.

Nesse caso, parece que o problema é um vício de produto, pois, a Ford um recall para um defeito no trinco das quatro portas, que consistia na substituição do mesmo em carros feitos de meados de 2012 até período parecido em 2013.

No Ford Fusion da geração atual, outro problema que aparece muito em comparação com o câmbio automático é o módulo de levantamento one touch dos vidros, que apresentou falhas em vários carros.

Nunca houve um recall, mas de acordo com um cliente, a correção seria manter o botão pressionado por 10 segundos após a descida e 10 segundos após a subida para ele voltar a funcionar normalmente.

O Ford Fusion teve recalls de bomba de combustível para carros de 2012 a 2013, incluindo substituição da mesma.

Também foram chamados os donos para que fosse resolvido a fixação do mecanismo de reclinação dos bancos dianteiros de carros da mesma época, assim como módulo de segurança, proteção do sistema pré-tensionador dos cintos, parafuso de fixação do volante, bucha do cabol seletor de marchas, mangueiras do freio dianteiro e módulo do airbag do passageiro.

Ford Fusion – defeitos e problemas
Nota média 5 de 2 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Ricardo

    Das 3 gerações que tem no Brasil, a primeira e a atual são bonitas, a segunda acho feia.

  • Rainier Plawiak

    Estava para comprar um até ler os relatos no Reclame Aqui. Câmbios estragando com 20/30 mil quilometros são alguns dos relatos, fato confirmado com um mecânico especialista na área. Outro comum é a pane elétrica quase completa, que ocorre quando a bateria está no fim de sua vida útil e os sistemas eletrônicos “se fecham” para proteger os sistemas essenciais, ou seja, não permite ligar o som, o ar condicionado, os espelhos elétricos e as demais amenidades…

    • Ricardo

      Acho que qualquer carro que for investigar problemas terão e não sobrará nenhum para comprar.

      • Rainier Plawiak

        Com certeza. Também é super normal câmbio estragar com 30 mil km…

        • Ricardo

          Não, mas isso deve acontecer numa baixa porcentagem.

    • Marcelo Amorim

      Tive um 2.5 ano 2013,comprei de única dona,com 55 mil km rodados e revisado na concessionária até os 30 mil km.O carro vez ou outra estava dando um tranco forte ao engatar a ré,mas fiz a aquisição de um imóvel e o mesmo entrou como parte do pagamento,passei pouco tempo com ele.

    • Janduir

      Meu vizinho comprou um 2012 de único dono e com apenas 60.000. Sempre revisado em Css. O carro é uma nave. Uma delicia de guiar. Usou 6 meses tranquilo, e depois começou a acender luz de airbag (gastou uns 4k pra arrumar), depois começou a dar trancos (e como não é toda hora que dá, já gastou uma grana e não resolveu). Ele acabou assustando com o preço das peças e já colocou pra vender… Tabela 42. Pediu 41 – 40 – 39 – 38 e até agora pouquíssimas ligações (webmotors). Obviamente carro é sorte, mas esses carros de hoje com muita eletrônica, quando começar a enroscar, prepare o bolso…

    • T1000

      Se o nomal é essa treta toda imagine os hybrid com mais sistemas para quebrar e motor ciclo attinkson diferente de tudo o que a Ford tem em linha…

    • Randy Marsh

      Em relação a baixa carga de bateria, nao é problema, mas sim proteção. no Edge quando a bateria esta ruim ele nao deixa usar nem o multimedia, nem a partida a distancia.

    • Peninha

      Rainier, eu tenho um Fusion e acho um dos melhores custo/beneficios hoje em dia. Concordo que o carro e’ meio baixo (acho que os novos sao um pouco mais altos), mas nao tenho nenhuma reclamacao ate agora (32K Km). Conforto, seguranca e desempenho muito acima da media para carros nos mesmos valores

  • cefaf

    Deus me livre de comprar um carro com problemas de raspar em lombadas e valetas, e com problemas na durabilidade dos amortecedores.

    • Unknown

      É só saber andar que o suposto problema dificilmente vai aparecer. Mas é óbvio que tem alguns carros que tem a suspensão mais resistente do que outros…

  • Aleferreira1000

    Eu já tive um 2010 e quase fali, com 108 mil km tive que gastar 10 mil no cambio e não ficou 100%. Vendi para a própria ford na troca por um outro modelo zero km, pegaram a preço de banana. Gosto desse carro, mas tenho mágoas, rsrss…

  • Domenico Monteleone

    Já virou carro de manolo

  • Paulo

    Quem não se lembra dos primeiros Fusions que vinham enferrujados

  • Fabricio

    O sensor de pressão tambem estraga no ecoboost… O pior do fusion é ele ser ford

  • David Diniz

    Aqui em casa passou um Fusion 2,516v que quando estava perto de 60mil rodados(comprado zero km) começou a dar trancos no câmbio e o consumo estava exageradamente elevado(parecia um V8) o carro foi embora e entrou um Toyota Corolla zero km em 2015.

  • G. de F.

    Ford importado? Haja coragem… E não falo como hater ou sem conhecimento de causa, pois já tive muitos modelos da Ford, inclusive os importados, num passado nem tão distante assim, e, depois de passar muita raiva devido a quase inexistente assistência técnica, e quando tem é completamente inoperante, fora o fato da desvalorização acima, muita acima, da média, dificilmente teria coragem de novamente investir em qualquer Ford zero km. Importado então, pior ainda!

    • Unknown

      O popular Ka, dá para comprar sem medo. Os New Fiestas inciais, importados do México, também dão excelentes. Agora os de categorias acima, como é o caso em discussão, realmente é temerário.

  • Dod

    É, o Fusion tem realmente o padrão de qualidade Ford, ou melhor, a falta de qualidade. Bucha e das grandes.

  • Randy Marsh

    O pessoal fala mal do Fusion, mas explica porque é o sedan de luxo mais vendido no país..

  • Thiago

    Minha família teve um V6 2010 AWD e problema na caixa surgiu antes dos 40.000 km.
    A ford trocou a caixa em cortesia, pois já estava fora da garantia, mas tinha todas as revisões feitas na concessionária.
    Depois compraram um ecoboost FWD 2013 e os problemas na caixa apareceram lá pelos 90.000 km, mas os trancos ocorriam somente em 3ª e 4ª marcha e não eram muito severos. Trocaram o óleo da caixa, mas não mudou nada.
    Hoje está 150.000 km e continua andando com os “tranquinhos”.
    Curiosamente nas revisões (tem as 15 revisões feitas em concessionária) sempre dizem que está tudo ok.

  • Senna ever

    A gente vê essa série de reportagens e até entende por que o mercado brasileiro tem medo de carro usado com mais de 100k rodados. Parece que são feitos para durar 99K apenas.

    • Faheina

      E gastar outros 100 mil depois do fim da garantia

  • Fábio

    O carro é uma nave. Se fizer a manutenção preventiva e usa-lo corretamente a maioria desses problemas não aparece.
    Agora para quem quer usar o carro em locais com solo lunar, roças e etc, ele não é carro para isso. É carro de patrão, não é carro de peão. Todo carro tem seu público alvo, que indica também o modo de uso. Minha mulher ama o carro, até tomada para notebook ele tem.

    • Unknown

      Concordo plenamente! Óbvio que não é referência em durabilidade de suspensão, mas os caras “limam” o carro e depois ficam dizendo que a suspensão não presta. Este veículo é, por concepção, para ser utilizado em vias com boa pavimentação.

  • Peter Bishop

    Engraçado que tive um rodei até 140 mil km e não tive esses problemas com o câmbio. A suspensão realmente eu tive que mexer com 46 mil. Troquei num mecanico fora da rede e não gastei mais que 2.600. Na concessionária queriam 6.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email