_Sem Categoria Matérias NA Tecnologia

Por que os carros geralmente tem tração dianteira?

vw-mqb-1

Chevrolet Chevette, Volkswagen Fusca e Ford Maverick tinham algo em comum, a tração traseira. Essa forma de prover força para mover o automóvel era bem comum no passado, especialmente em marcas americanas, mas com o passar dos anos, desde o Citroën Traction Avant de 1934, os fabricantes de veículos foram aos poucos mudando a maneira como entregavam o torque para as rodas dos veículos, trocando a motricidade das rodas traseiras para as dianteiras.


O movimento foi muito lento e só mesmo ganhou força de forma global quando os japoneses passaram a pressionar a velha indústria automotiva nos EUA e as montadoras europeias começaram a se modernizar quando marcas populares como Citroën, Volkswagen e Fiat começaram a entregar cada vez mais volumes de modelos de tração dianteira, assim como outros fabricantes franceses.

Mas, ante ao avanço desse tipo de tração, as marcas de luxo resistiram por mais tempo, especialmente Mercedes-Benz, BMW e Jaguar, sem contar as icônicas Rolls-Royce e Bentley. Nos EUA, as luxuosas – inclusive as newcommers nipônicas – também passaram a adotar a tração traseira, que se converteu em uma característica desse tipo dessa categoria. Para carros de alta performance, ela é imprescindível, até que a disputa pelo recorde do “inferno verde” alemão fez alguns fabricantes mudarem de ideia (em parte) com uma categoria só para quem tem tração dianteira.

psa-emp2-modular-plataforma-31


Mas então, se era tão popular assim no passado, por que os carros (hoje) geralmente tem tração dianteira? O motivo não está ligado à dinâmica de condução e nem em relação ao desempenho, mas é intimamente conectada com uma série de fatores, entre eles redução de custos de desenvolvimento e produção, melhor aproveitamento do espaço interno e redução de peso, visando baixar consumo e emissão de poluentes.

Fazer um carro com tração dianteira em larga escala sai mais em conta do que criar uma estrutura mais complexa para forjar o casamento entre motor/câmbio/cardã/diferencial e a carroceria. Obviamente, nem todos os segmentos de mercado podem simplesmente mudar da tração traseira para a dianteira por causa dos custos.

No caso das picapes, por exemplo, ter a força originalmente nas rodas traseiras significa robustez, controle, capacidade de carga e a imagem de força, que o cliente requer do produto. É por isso que até hoje apenas os modelos Honda Ridgeline e Fiat Toro possuem tração dianteira como base de projeto, apesar de ambas oferecem força nas rodas traseiras. Nas picapes leves, isso já não é tão importante, pois sua base é o automóvel de passeio.

nano-fabrica-2-1024x678

Em busca de conforto e redução de custos

Com a tração dianteira, especialmente com motor e câmbio em transversal (de lado, apesar de ainda existirem aqueles de posição longitudinal), o automóvel conseguiu uma boa redução de custo, pois num mesmo conjunto agrega também diferencial e semi-eixos, que transferem a força para as rodas.

Então, na linha de montagem, esse conjunto mais compacto e leve é mais facilmente encaixável do que o conjunto de tração traseira. Assim, deixa o restante da carroceria para aproveitamento de espaço, foi possível ampliar o conforto e a comodidade dos passageiros, bem como introduzir novas tecnologias, entre elas baterias para híbridos e cilindros de GNV, por exemplo.

A tração dianteira beneficiou imediatamente alguns segmentos de mercado no mundo automotivo, desde uma ampliação na mobilidade urbana até o aumento no transporte e distribuição de cargas nos grandes centros. Isso sem contar no desenvolvimento de um novo tipo de veículo familiar.

Mini-Remastered-9-1024x468

No primeiro caso, ter um carro pequeno para circular em centros urbanos apertados só foi possível com o uso da tração dianteira, onde motor e câmbio foram compactos para caber no diminuto cofre. Foi assim como o Mini inglês e com os kei cars japoneses, que ajudaram a reduzir o tamanho dos carros para lugares cada vez mais apertados. Após muitos anos, a Chrysler inventou um novo carro para família, que dispensa um espaço apenas para bagagens (peruas) e acrescentava um salão para 5, 7 ou 8 membros da família.

A minivan só foi possível com a tração dianteira. Da mesma forma, também as vans conseguiram aumentar o volume para levar encomendas urbanas de forma mais eficiente com o uso da tração dianteira. Os baús puderam ter suas plataformas planas mais próximas do chão com a ausência de cardã entre motor/câmbio e o eixo traseiro.

volkswagen-passat-1024x517

Como cada projeto tornou-se mais eficaz no aproveitamento de espaço e na redução de peso, mudar de tração dianteira para traseira se tornou algo proibitivo para os carros convencionais por causa das margens de lucro menores em automóveis mais baratos, o que não justifica o custos. Já em carros premium, cujo valor agregado é elevado, assim como as margens, ter tração traseira ainda é um “luxo”. O “ainda” se refere novamente aos custos.

Com o desenvolvimento de automóveis ficando cada vez mais caro, os fabricantes do mercado de luxo começaram a mudar seu portfólio na faixa de entrada, trocando os modelos antigos de tração traseira por equivalentes com tração dianteira. Foi assim como o primeiro Classe A da Mercedes-Benz e continua na atual geração, tal como alguns modelos da BMW, incluindo o X1. O conceito de modularização de fabricação de veículos, como MQB, MLB, CMP, EMP, CMA, SPA, CMF, entre outras, trouxe redução em escala.

renault-nissan-cmf-1

Para espanto de alguns, carros de luxo como Cadillac XTS, Lexus ES, Audi A6 e Volvo S90, por exemplo, possuem este tipo de tração, assim como quase todos os carros da Audi. Neste último fabricante, apenas uma parte possui motor em transversal, prevalecendo a arquitetura de motor e câmbio longitudinal, como acontecia nos antigos Passat, Santana e Gol, por exemplo.

E o futuro? Com os carros elétricos, a tendência de mover a tração para trás retornou, graças ao tamanho reduzido dos motores elétricos, que podem ser acondicionados de forma a não roubar espaço no habitáculo ou porta-malas. Aliás, até garantem um espaço extra no antigo cofre do motor.

COMPARTILHAR:
  • Augusto

    Basicamente redução de custos

    • Ⓜ️arcelo

      Bobeira citar o fusca, pois seria insano ter tração dianteira com motor traseiro

      • Renato Duarte

        talvez em algum universo paralelo exista…

  • Meereengue

    Reaproveitamento de espaço foi um grande ganho para os veículos medios ao adotar tração dianteira, especialmente para as pernas.

    • Fortuner

      Notadamente no banco traseiro, pela prescindibilidade do vetusto eixo cardã.

      • Matthew

        Os motores montados logitudinalmente também roubavam espaço na cabine, sobretudo os 6 em linha. No caso dos BMW eles ainda o deslocam mais próximo da parede corta-fogo pra perfeita distribuição de peso entre os eixos. Por isso que hoje um carro médio como o Corolla tem espaço interno próximo ao do Omega nacional.

  • noticiasehumakaka

    pra deixa mais barato essa é a verdade mais tbm perde a graça

  • Luciano C. Gallon

    O correto seria propulsão, afinal tracionar significa puxar, no caso as rodas estão empurrando e não puxando.
    Mas já estamos tão acostumados a dizer tração traseira que isso não tem a menor importância.

    • Julio Alvarez

      um outro artigo daqui do NA esclarece:
      No dicionário, Tração, nada mais é do que efeito de puxar, mover ou arrastar. É exatamente isso que ocorre em um automóvel.

    • th!nk.t4nk

      Pior que “traçao” pra ambos os casos é aceito. Entendo que você está pensando no movimento do carro como um todo (nisso está correto, puxar/empurrar), mas na prática o termo “traçao” é amplamente usado também como sinônimo de “arrasto” simplesmente (mesmo que a força seja exercida no eixo traseiro, os pneus estao tracionando o solo igualmente).

  • Ricardo

    Sempre a redução de custos em detrimento do prazer. Seria legal termos a opção de carros acessíveis com tração traseira hoje me dia como era o Chevette, imaginem que massa um Voyage tração traseira, já daria para se divertir. Hehe

    • Eng Turbo

      Ele existe, Voyage e Gol com tração traseira …no Show do Beto Carrero

      https://www.youtube.com/watch?v=eRPxMCzwJeU

      • Ricardo

        Eu sei, comentei isso aqui também.

        • Eng Turbo

          Eu vi o Show em um fds, no outro teve o acidente

  • Ricardo

    Qual é mais eficiente? Um carro tração traseira ganha força mas tem perda no eixo cardã e ganho de peso. Precisaria comparar dois carros idênticos de mesma potência, um com tração dianteira e outro com traseira. Tem os Voyages tração traseira do Beto Carreiro, poderiam pegar um tração dianteira, deixar com a mesma potência e comparar.

    • th!nk.t4nk

      Bom, meu carro tem tração traseira e teoricamente sofre destes males. Porém, no fim das contas ele se sai melhor do que os concorrentes de potência similar com traçao frontal. O segredo neste caso foi a transmissao, muito trabalhada pra deixar o motor sempre no giro ideal (pra desempenho ou baixo consumo, a depender da situaçao). Dessa forma meu carro bebe e anda de forma bem semelhante a um modelo de traçao frontal, porém com uma pegada bem mais divertida. No fim o que fala mais alto é o conjunto como um todo. Só a traçao traseira sozinha nao vai necessariamente resultar numa dinâmica agradável, assim como ter traçao frontal nao necessariamente vai resultar num carro econômico.

  • Gorlami

    Traçao dianteira é escolha racional se pensar em consumo de combustível.
    Mas quando tive meus dois subarus AWD comecei a apreciar trações diferentes.
    Agora estou com uma BMW traseira com ZF8 e só trocaria por uma BMW traseira cambio manual

    • th!nk.t4nk

      E depende muito do uso que a pessoa faz do carro. Honestamente, pra uma tiazona que só usa o carro pra buscar os filhos na escola e fazer compras no supermercado, um veículo de traçao frontal vai atender até melhor (já que seu comportamento em curvas e piso escorregadio é mais previsível).

      • Gorlami

        bem mais previsivel

  • Guilherme Batista

    Queria frisar também que essa mudança demorou também por causa da mudança de paradigma ao se fabricar partes de veículos foi lenta.
    O motor antigamente eram grandes longitudinais e com a caixa de câmbio também grande e acoplada diretamente no fim do motor, então era natural que se estendesse um eixo para a traseira, pois seria estranho puxar o eixo para frente.

    Somente depois que a Audi na década de 70 fez um motor pequeno, que cabia acima da caixa de marchas e diferencial que ficou claro o potencial de se deixar tudo no eixo dianteiro.

  • Sílvia

    . . . porém , contudo , todavia , deslocar o trem-de-força para a parte traseira do carro , com a força motriz traduzida tbm nas rodas traseiras , traria um sem-número de benefícios , em termos de construção , dinâmica , design , etc . . não precisa ser expert p perceber isto .

    • th!nk.t4nk

      Isso está sendo “re-inventado” nos elétricos, colocando um motor no eixo traseiro e outro no eixo frontal.

  • Henrique

    Estou gostando destas matérias “mais básicas” que o NA está escrevendo.
    Meus parabéns à equipe do NA!

  • Flavio Sierra

    Eu tive um jeep Cherokke de tração traseira… O carro saia de frente nas curvas acentuadas, caso fosse desligado o botão de controle de estabilidade.
    No caso de pick up, de uso pesado, a tração dianteira seria ineficiente pra direcionar, ou até mesmo tracionar em caso de piso molhado, lama e piso com baixa rugosidade.O motivo seria a tendência do peso da carga na caçamba fazer com que a frente do veículo se levante levemente e as rodas dianteiras perderiam a aderência com o piso. O carro perderia força na saída, poderia patinar. Nos carros superesportivos, a tração ideal é a que transmite força para todas as rodas, e inclusive o desempenho em uma arrancada é bem superior ao de um veículo de mesma potência e peso, mas que possua somente tração em um dos eixos. O motivo é o mesmo…, maior aderência e transmissão de força… há alguns casos de veículos all whell drive que verificam o eixo com menor aderência e transmitem menor forçar pra esse eixo , de modo que as rodas nunca patinem.. esse é o tipo de veículo tem a maior eficiencia na transmissão, apesar da complexidade, do preço e pesos extras, graças ao uso de diferenciais viscosos.

  • Flavio Sierra

    Eu tive um jeep Cherokke de tração 4X4 e tração normal traseira e reduzida… Caso fosse desligado o controle de estabilidade, o carro saia de frente nas curvas acentuadas no uso da tração normal que era a traseira.
    O motivo dos Suvs que tem capacidade de puxar carga, trailers, carretas terem tração traseirae o mesmo motivo que as pickups de uso pesado.
    No caso de pick up de uso pesado e SUVs que possuem capacidade de puxar carretas, trailers, se possuíssem tração dianteira sozinha, seria ineficiente pra direcionar, ou até mesmo tracionar em caso de piso molhado, lama e piso com baixa rugosidade.O motivo seria a tendência do peso da carga na caçamba fazer com que a frente do veículo se levante levemente e as rodas dianteiras perderiam a aderência com o piso. O carro perderia força na saída, poderia patinar. Nos carros superesportivos, a tração ideal é a que transmite força para todas as rodas, e inclusive o desempenho em uma arrancada é bem superior ao de um veículo de mesma potência e peso, mas que possua somente tração em um dos eixos. O motivo é o mesmo…, maior aderência e transmissão de força… há alguns casos de veículos all whell drive que verificam o eixo com menor aderência e transmitem menor forçar pra esse eixo , de modo que as rodas nunca patinem.. esse é o tipo de veículo tem a maior eficiencia na transmissão, apesar da complexidade, do preço e pesos extras, graças ao uso de diferenciais viscosos.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email