Toyota Fielder – reclamações e problemas

A Toyota Fielder foi uma perua produzida até 2008 e tinha como base o Corolla, aliava bom desempenho, ótimo espaço, robustez típica dos japoneses e design. Apesar de ser um ótimo carro, têm seus defeitos, nesse texto vamos te mostrar os principais problemas e reclamações dos donos.

Toyota Fielder
Toyota Fielder

O mercado das peruas (ou “wagons”, se preferir o nome gourmet) está mais fraco que café de rodoviária, pelo menos quando falamos das 0km, se você, assim como eu, gosta do estilo delas vai ter que desembolsar uma bela grana por uma premium importada, não temos mais nenhuma produzida em solo brasileiro, mas felizmente ainda temos algumas no mercado de usados.

A Toyota Fielder é uma delas, foi um modelo que agradou o consumidor com seu design e acabamento, além do confiável motor 1.8 e pode ser encontrada a partir dos R$ 32.000,00, preço de um carro popular, mas ela tem uma manutenção mais cara que um popular da mesma faixa de preço, então, para evitar dor de cabeça, fique atento aos seguintes pontos:

Válvulas e retentores danificados

Os tuchos precisam de regulagem periódica, que muitas vezes (quase sempre) são negligenciadas pelos mecânicos, a falta de regulagem pode fazer com que apareçam ruídos e barulhos no motor e, a longo prazo, pode danificar as sedes ou retentores de válvula, fazem com que o carro “fume”.

Se o carro apresentar esse sinal, evite ou negocie bem, pois o reparo pode passar facilmente dos R$ 4.000,00.

Trizetas com desgaste

As trizetas sofrem desgaste prematuro e podem fazer o carro vibrar, como se estivesse desbalanceado.

Alguns reparadores recomendam a troca de mais componentes, como o semi-eixo, juntamente com elas, o que pode sair um pouco caro.

Toyota Fielder

Para-barro

O acabamento interno dos paralamas costuma romper e se perder durante a vida útil do carro, então um exemplar que o possua é possível que esteja em bom estado.

Recall

O airbag sofreu chamado de recall devido à estilhaços de metal que podem ser disparados quando o airbag deflagra, verifique se a unidade já passou pelo recall.

Altura baixa

Apesar de não ser uma reclamação recorrente, o carro costuma raspar um pouco no chão , principalmente cheio de ocupantes e bagagens fica baixo e pega em lombadas, mas no uso normal com poucas pessoas a altura é boa.

Câmbio antigo

O câmbio não é tão rápido e inteligente quanto alguns câmbios modernos, especialmente devido à data de produção, então pode desagradar em algumas situações como ao frear, em que não atua o freio motor como deveria, exigindo mais do sistema de freios.

Desgaste acentuado de pastilhas

A depender do uso que se dá para o carro, ele pode sofrer com desgaste acentuado das pastilhas, em parte pelo citado no ponto anterior, especialmente se usar o carro sempre cheio.

Porta-malas poderia ser melhor

Há quem diga que o volume do porta-malas poderia ser melhor, principalmente se comparado com alguns rivais, então se está comprando o carro por esse motivo, existem outras opções no mercado que podem melhor atender.

Conclusão

Pela dificuldade em encontrar defeitos desse carro, mesmo pesquisando em fóruns da web, certamente é uma boa compra, o maior “porém” é o ano e quilometragem que a maioria dos exemplares são encontrados, já podem ter diversos itens que sofreram desgaste natural, com atenção especial às tulipas, câmbio e itens de suspensão, pois a troca pode sair um pouco cara, o problema nos retentores de válvula também é crônico e pede atenção.

Pelo preço pode eventualmente desagradar pela falta de “mimos” e itens de tecnologia, o design do painel é um pouco antiquado, se for adquirir um, tem que ter em mente que a proposta é de um carro “família”, então tem robustez e espaço interno, não tendo foco em requinte.

google news2 Quer receber todas as nossas notícias em tempo real?
Acesse nossos exclusivos: Canal do Whatsapp e Canal do Telegram!

O que você achou disso?

Toque nas estrelas!

Média da classificação / 5. Número de votos:

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.


Últimas Notícias



c12OrqyAeQ65CANuSaRgcOXX3cvWvBvO3VrU zKQNKMIjAIN28coKUHnlTgz76QZ90
Autor: Luca Magnani

Engenheiro mecânico na indústria automotiva, pós graduado pela Universidade da Indústria do Paraná em Engenharia de veículos elétricos e híbridos.